sicnot

Perfil

Mundo

Colômbia expulsou 5.800 migrantes em dois meses

Arquivo

© Carlos Eduardo Ramirez / Reut

A Colômbia expulsou mais de 5.800 migrantes em situação ilegal no país nos últimos dois meses, a maioria oriundos do Haiti, anunciou o Governo de Bogotá na quarta-feira.

Eram pessoas que entraram na Colômbia "sem se submeterem à obrigação legal de se registarem no país", segundo um comunicado da agência governamental com a tutela da imigração.

A diretora do organismo, Christian Krüger, precisou que a maioria das pessoas expulsas são do Haiti.

Em relação aos cerca de 950 cubanos que se refugiaram em Turbo, no noroeste da Colômbia, afirmou que ainda espera o mandado judicial que permitirá a expulsão da maioria.

Krüger indicou que estes cubanos serão expulsos para Cuba ou para os países a partir de onde entraram na Colômbia (na maioria dos casos, o Equador).

A responsável vai reunir-se na sexta-feira no Panamá com autoridades locais e da Costa Rica para tentar acordar estratégias que travem a circulação de migrantes na região, segundo o comunicado de quarta-feira.

Lusa

  • Bernardo Silva no City? O que Pep Guardiola disse ao português na Champions
    0:34
  • A promessa e a peregrinação do Presidente no Luxemburgo
    2:28
  • "O Brasil não parou e não vai parar"
    1:33

    Mundo

    O Presidente do Brasil diz ter condições para continuar à frente do Palácio do Planalto. Num vídeo publicado no Twitter, Michel Temer garante que o país não parou, nem vai parar, mas há uma nova gravação que pode comprometer o futuro do chefe de Estado.

  • Trump empurra líder do Montenegro para ficar à frente na fotografia

    Mundo

    A reunião de líderes dos Estados-membros da NATO, que decorreu esta quinta-feira em Bruxelas, na Bélgica, ficou marcada por um momento insólito em que o Presidente norte-americano não quis abdicar de ficar no melhor plano possível nas fotografias de grupo. Nem que para isso tenha sido necessário empurar o líder de outro país.

  • O humor de John Kerry nas críticas a Trump
    0:40

    Mundo

    John Kerry criticou as ligações de Donald Trump com a Rússia durante um discurso de abertura, na Universidade de Harvard. O ex-secretário de Estado norte-americano disse, em tom de brincadeira, que se os jovens querem vingar na política, devem primeiro aprender a falar russo.

  • O papel da religião no quotidiano
    24:57