sicnot

Perfil

Mundo

Há mais de 700 milhões de internautas na China

Mark Schiefelbein

O número de chineses ligados à internet ultrapassou os 700 milhões, até junho, revelou hoje o China Internet Network Information Center (CNNIC), numa altura em que a economia online assume-se como um novo motor de crescimento económico.

A população online da China aumentou 3,1%, desde o final de 2015, para 710 milhões, representanto o dobro de há cinco anos atrás. 92,5% acedem à rede através de smartphones, segundo o organismo regulador do setor.

Aquela cifra representa mais de metade da população total da China - 1.375 milhões -, país onde vive cerca de 18% da humanidade, ou mais 200 milhões do que a população total da União Europeia.

Redes sociais e ferramentas online como o Facebook, Twitter, Google, Youtube ou Dropbox estão banidas na China, mas o comércio eletrónico tem-se revelado vital na transição para um modelo económico assente no consumo.

O Governo está a promover um projeto designado "Internet plus", visando expandir a tecnologia da internet à indústria, como parte dos planos para modernizar aquele setor.

O número de internautas entre os cidadãos rurais, porém, permanece baixo - menos de um terço do total - visto que os residentes no interior do país carecem de conhecimentos ou de acesso à Internet, ou não estão interessados, detalhou a CNNIC.

Empresas como o gigante do comércio eletrónico Alibaba, fundada pelo magnata Jack Ma, tornaram-se negócios multimilionários, nos últimos anos, aproveitando o 'boom' da internet no país.

Só no último dia dos solteiros, que se celebra a 11 de novembro, o Alibaba anunciou um volume de vendas total de 14,3 mil milhões de dólares (13 mil milhões de euros).

Lusa

  • Alterações nos horários das farmácias têm o objetivo de evitar duplicação de serviços
    1:50
  • Troika nem sempre protegeu os mais vulneráveis, conclui avaliação do FMI

    Economia

    O organismo de avaliação independente do FMI concluiu que as medidas aplicadas pela troika em Portugal nem sempre protegeram as pessoas com menos rendimentos, apontando que a primeira preocupação do Fundo era a redução dos défices, apurou o gabinete independente de avaliação do Fundo Monetário Internacional (FMI),