sicnot

Perfil

Mundo

Coreia do Norte quer ir à Lua e mais além

Modelo de um foguetão da Coreia do Norte.

© Damir Sagolj / Reuters

A agência espacial norte-coreana trabalha num plano a cinco anos para colocar no espaço os mais avançados satélites. Mas não pretende ficar por aí: quer ir à Lua hastear a bandeira da Coreia do Norte e rumar mais além.

Em entrevista à Associated Press, um alto responsável da Agência para o Desenvolvimento Espacial da Coreia do Norte garantiu que as sanções internacionais não vão impedir o lançamento de mais satélites até 2020.

"Embora os Estados Unidos e os seus aliados tentem bloquear o nosso desenvolvimento espacial, os nossos cientistas aeroespaciais vão conquistar o espaço e colocar uma bandeira da República Popular Democrática da Coreia na Lua", afirmou Hyon Kwang Il, diretor do departamento de investigação científica da Agência Espacial. Um objetivo que espera ver concretizado nos próximos 10 anos.

"Embora os Estados Unidos e os seus aliados tentem bloquear o nosso desenvolvimento espacial, os nossos cientistas aeroespaciais vão conquistar o espaço e colocar uma bandeira da República Popular Democrática da Coreia na Lua", afirmou Hyon Kwang Il, diretor do departamento de investigação científica da Agência Espacial.

Hyon Kwang Il diz que serão lançados satélites para observação da Terra e para comunicações, negando assim que o programa espacial tenha fins militares.

Avanços tecnológicos e sanções internacionais

A Coreia do Norte tem dado provas de vários sucessos no seu programa espacial - bem como no desenvolvimento de cada vez mais sofisticados mísseis de longo alcance para fins militares. Como última prova, o lançamento na quarta-feira do que se acredita ser um míssil balístico de médio alcance.

Segundo Seul, Pyongyang lançou dois mísseis balísticos de médio alcance, mas um terá explodido logo após a descolagem e o segundo caiu no Mar do Japão, cerca de 250 quilómetros ao largo da costa norte do Japão e dentro da Zona Económica Exclusiva (ZEE) japonesa, pela primeira vez.

A condenação por parte do Japão foi imediata, logo seguida dos Estados Unidos, com Tóquio e Washington a pedirem uma reunião de urgência do Conselho de Segurança da ONU para hoje.

O último satélite que enviou para o espaço foi em fevereiro - o Kwangmyongsong 4, ou Estrela Brilhante 4 - um mês depois de afirmar ter concluído com sucesso o primeiro teste com uma bomba de hidrogénio. Experiência que levou a novas sanções por parte da comunidade internacional, uma vez que testes nucleares e lançamento de foguetões com fins militares são proibidos pelas resoluções das Nações Unidas.

  • A fábrica de caças na base aérea de Monte Real
    3:35
  • Comprar ou arrendar casa?
    8:25
  • Fui contactado por um espectador do “Contas-Poupança” (quartas-feiras, Jornal da Noite, SIC) e leitor do blogue www.contaspoupanca.pt, que foi surpreendido com uma carta do banco a aumentar o spread porque um dos serviços que tinha subscrito tinha sido extinguido. Neste caso específico, a domiciliação de ordenado. Ora, o cliente ficou estupefacto porque não mudou de empresa, não foi despedido nem tinha havido nenhuma alteração no recebimento do ordenado naquela conta.

    Pedro Andersson

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Temer acusado de prejudicar Polícia Federal
    2:36
  • Violência volta às favelas do Rio de Janeiro
    3:21

    Mundo

    As favelas do Rio de Janeiro voltaram aos níveis de violência dos anos 90. A cidade de Deus foi uma das favelas pacificadas que voltou a registar tiroteios diariamente, os moradores falam de situações de trauma e do medo das crianças.

  • Trump interrompe telefonema para elogiar jornalista

    Mundo

    A jornalista irlandesa Caitriona Perry viu-se esta terça-feira envolvida num momento que a própria classificou de "bizarro": um encontro inesperado com Donald Trump, que interrompeu um telefonema com o primeiro-ministro irlandês para... a elogiar.

    SIC

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Cão corre os EUA a entregar águas aos árbitros em jogos de basebol
    0:20