sicnot

Perfil

Mundo

Itália aprova pacote legislativo para combater desperdício alimentar

"A comida desperdiçada na Europa dava para alimentar 200 milhões de pessoas", refere a FAO.

© Stefano Rellandini / Reuters (Arquivo)

O Governo italiano aprovou um conjunto de leis que visam reduzir a quantidade de alimentos desperdiçados anualmente no país. O objetivo é passar de 5 milhões de toneladas anuais de desperdício alimentar para 1 milhão de toneladas.

O pacote legislativo, votado a 2 de agosto, foi aprovado por maioria, tendo apenas uma abstenção e dois votos contra.

Entre as várias medidas, incluiu-se uma que pretende encorajar as famílias a levar para casa as sobras da refeição quando vão comer fora.

A doação de alimentos por parte de supermercados, restaurantes ou produtores agrícolas também se tornou mais fácil, através da eliminação de todos os procedimentos burocráticos até agora necessários para a doação de comida.

De acordo com o Fundo das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), a Europa regista 40% de desperdício alimentar. No resto do Mundo, a percentagem é inferior a um terço.

"A comida desperdiçada na Europa dava para alimentar 200 milhões de pessoas", concluiu a FAO.

  • Menino perdido na Praia da Luz foi levado à GNR por turista
    1:11

    País

    Um menino inglês, de sete anos, esteve desaparecido na quinta-feira na Praia da Luz, no Algarve, depois de se ter perdido dos pais. A GNR colocou duas equipas de investigação no local, mas ao fim de uma hora e meia o rapaz apareceu na esquadra de Lagos acompanhado por um turista a quem terá pedido ajuda.

  • Mais viagens mas menos turistas de Portugal
    1:22

    País

    Os residentes em Portugal - sejam portugueses ou estrangeiros - realizaram quatro milhões de viagens turísticas, só no primeiro trimestre do ano. Um aumento de mais de 6% nas viagens dentro do país face ao período homólogo e de mais de 15% nas viagens para fora, de avião. O estudo é do INE, o Instituto Nacional de Estatística, que permite fazer o retrato mais claro de quem viaja e porquê.

  • Algarve sozinho gera metade dos bens transacionáveis em Portugal
    4:14

    SIC 25 Anos

    O Algarve quase não tem indústria e os especialistas consideram que é excessivamente dependente do turismo. Ainda assim, sozinho contribui com metade do que Portugal gera em bens transacionáveis. A região tem problemas graves, como a falta de médicos e um custo de vida muito alto, mas continua a atrair a maior parte dos turistas e muitos estrangeiros decidem mesmo escolher a região para viver.