sicnot

Perfil

Mundo

Novo ministro da Justiça japonês defende pena de morte para "crimes cruéis"

Reuters

​O novo ministro da Justiça do Japão, Katsutoshi Kaneda, defendeu a pena de morte como "um castigo inevitável" para "crimes cruéis", em declarações após a nomeação, citadas hoje pela comunicação social nipónica.

Kaneda manifestou assim a sua vontade de que o Japão continue a ser o único país industrializado, juntamente com os Estados Unidos, a manter a pena de morte, depois de ter sido nomeado para o cargo na quarta-feira pelo primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, no âmbito de uma remodelação governamental.

"É inevitável aplicar a pena de morte a uma pessoa que tenha cometido um crime cruel e com clara responsabilidade penal", afirmou Kaneda nas suas primeiras declarações como titular da pasta da Justiça, citadas pelo diário Sankei.

Kaneda, de 66 anos e ex-vice-ministro dos Negócios Estrangeiros, também destacou a necessidade de "ter prudência" na hora de emitir ordens de execução, assim como de considerar "a opinião pública e a conceção social de justiça" para aplicar este castigo.

O até agora deputado do conservador Partido Liberal Democrata (PLD) na câmara alta do Parlamento japonês acrescentou que o seu principal objetivo como ministro é tornar o Japão "o país mais seguro do mundo".

As mais recentes execuções no Japão foram em março passado, quando foi aplicada a pena capital a dois condenados por múltiplos homicídios. Foram feitas 16 execuções deste que o atual Governo de Shinzo Abe está no poder.

No Japão, onde é usada a forca, os réus são informados de que vão ser executados horas antes, o que é criticado pelas organizações não-governamentais, que sublinham que muitos prisioneiros permanecem isolados durante décadas.

As organizações de defesa dos direitos humanos também pressionam regularmente Tóquio para abolir a pena de morte, enquanto o Governo insiste que é necessário debater a questão dado o apoio maioritário, segundo as sondagens (cerca de 80%).

Lusa

  • Pagar IMI a prestações e um Documento Único Automóvel mais pequeno

    País

    O programa Simplex + 2017 é apresentado hoje à tarde e recebeu mais de 250 propostas de cidadãos ao longo dos últimos meses. As novas medidas preveem o pagamento em prestações do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e a criação de um simulador de custos da Justiça, que devem estar em vigor no próximo ano.

  • Cinco anos depois do incêndio na Serra do Caldeirão
    5:24
  • Destaques económicos que marcaram a semana
    2:03

    Economia

    A semana ficou marcada pela tragédia provocada pelos incêndios no centro do país. No entanto importa olhar para o que se passou noutras áreas e fazer um resumo das notícias relacionadas com a economia. 

  • "Toda a gente merece direitos iguais"
    0:14

    Mundo

    A polícia de Istambul montou cordões de segurança para dispersar a multidão que se juntou para a Marcha do Orgulho Gay, este domingo. O Governo proibiu a marcha por considerar que representa um risco para a segurança pública. Uma das ativistas fala numa decisão sem sentido, e diz que todas as pessoas merecem direitos iguais.

  • "Ela veio lá de fora e começou a atropelar as pessoas"
    0:43

    Mundo

    O atropelamento deste sábado em Newcastle, no Reino Unido, provocou pelo menos seis feridos. No local, as pessoas relatam momentos de pânico. Uma testemunha afirma que a condutora nunca perdeu o controlo do carro e que dirigiu intencionalmente contra a multidão.