sicnot

Perfil

Mundo

Novo ministro da Justiça japonês defende pena de morte para "crimes cruéis"

Reuters

​O novo ministro da Justiça do Japão, Katsutoshi Kaneda, defendeu a pena de morte como "um castigo inevitável" para "crimes cruéis", em declarações após a nomeação, citadas hoje pela comunicação social nipónica.

Kaneda manifestou assim a sua vontade de que o Japão continue a ser o único país industrializado, juntamente com os Estados Unidos, a manter a pena de morte, depois de ter sido nomeado para o cargo na quarta-feira pelo primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, no âmbito de uma remodelação governamental.

"É inevitável aplicar a pena de morte a uma pessoa que tenha cometido um crime cruel e com clara responsabilidade penal", afirmou Kaneda nas suas primeiras declarações como titular da pasta da Justiça, citadas pelo diário Sankei.

Kaneda, de 66 anos e ex-vice-ministro dos Negócios Estrangeiros, também destacou a necessidade de "ter prudência" na hora de emitir ordens de execução, assim como de considerar "a opinião pública e a conceção social de justiça" para aplicar este castigo.

O até agora deputado do conservador Partido Liberal Democrata (PLD) na câmara alta do Parlamento japonês acrescentou que o seu principal objetivo como ministro é tornar o Japão "o país mais seguro do mundo".

As mais recentes execuções no Japão foram em março passado, quando foi aplicada a pena capital a dois condenados por múltiplos homicídios. Foram feitas 16 execuções deste que o atual Governo de Shinzo Abe está no poder.

No Japão, onde é usada a forca, os réus são informados de que vão ser executados horas antes, o que é criticado pelas organizações não-governamentais, que sublinham que muitos prisioneiros permanecem isolados durante décadas.

As organizações de defesa dos direitos humanos também pressionam regularmente Tóquio para abolir a pena de morte, enquanto o Governo insiste que é necessário debater a questão dado o apoio maioritário, segundo as sondagens (cerca de 80%).

Lusa

  • Constitucional chumba algumas normas da lei de barrigas de aluguer

    País

    O Tribunal Constitucional chumbou algumas normas do acórdão sobre as barrigas de aluguer. De acordo com o Expresso, a decisão já foi comunicada à Assembleia da República. A obrigatoriedade da regulamentação da lei ser feita pelo Parlamento e não pelo Governo terá sido unânime.

  • Marcelo já sabia da substituição do embaixador de Angola
    4:00

    País

    O Presidente da República sabia há bastante tempo da substituição do embaixador de Angola em Lisboa e já tinha aprovado o nome do futuro representante de Luanda. A revelação foi feita, esta terça-feira, por Marcelo Rebelo de Sousa, numa conversa exclusiva com a SIC no Palácio de Belém. O Presidente contou ainda que não vai enviar recados ao Governo nem aos partidos no discurso de 25 abril que vai fazer na Assembleia da República.

    Exclusivo SIC

  • A história do bebé que continua a lutar pela vida depois do tribunal ter desligado as máquinas

    Mundo

    Alfie Evans sofre de uma doença cerebral degenerativa. A sua condição levou o caso à justiça e, depois de uma batalha judicial entre os pais e o hospital, os juízes determinaram que as máquinas do suporte artificial de vida fossem desligadas. Apesar de os aparelhos terem sido desligados na segunda-feira à noite, segundo os pais, a criança de 23 meses continua a lutar pela vida, respirando sozinha.

    SIC

  • O vestido de noiva de Megan Markle
    1:17
  • O recado de Donald Trump à Coreia do Norte 

    Mundo

    O Presidente norte-americano, Donald Trump, exortou Pyongyang a eliminar todo o seu arsenal nuclear, precisando o que queria dizer exatamente ao apelar para a "desnuclearização" do regime totalitário, antes de uma aguardada cimeira com o líder norte-coreano.

  • Pato em excesso de velocidade faz disparar radar numa estrada suíça
    1:31