sicnot

Perfil

Mundo

Os 20 melhores sítios para procurar vida extraterrestre

Ilustração de vários exoplanetas descobertos pela missão Kepler.

NASA/Reuters

Segundo os astrónomos, há 20 bons candidatos a serem uma "segunda Terra". Se queremos encontrar vida fora do nosso sistema solar, estas são as melhores hipóteses (tanto quanto se sabe até agora).

Numa lista de mais de 4 mil exoplanetas descobertos pela missão Kepler da NASA, há 20 que podem albergar vida, acredita uma equipa de cientistas norte-americana.

"Este é o catálogo completo de todas as descobertas feitas pela missão Kepler de exoplanetas a orbitar em redor da sua estrela numa zona onde pode haver vida", explica Stephen Kane da Universidade de San Francisco, cuja investigação é publicada no Astrophysical Journal. "Isto significa que podemos concentrar-nos nestes planetas e realizar estudos para saber mais sobre eles, inclusive se são habitáveis".

Na última contagem, o telescópio espacial Kepler detetou 4706 candidatos a exoplanetas, 2327 dos quais estão já confirmados. Entre estes últimos, a equipa de São Francisco identificou 216 localizados em "zonas habitáveis" em relação à sua estrela, ou seja onde há condições para que exista água em estado líquido. A lista ficou reduzida a 20 quando se determinou quais estava na posição perfeita em relação à sua estrela, tal como a Terra está em relação ao Sol.

Assim, numa missão além do nosso sistema solar em busca de um gémeo da Terra e de vida extraterrestre, seria bom começar pelo Kepler 186-f, sugerem estes cientistas.

  • A menina síria que relata a guerra no Twitter está bem, diz o pai

    Mundo

    Bana Alabed, a menina síria de 7 anos que conta no Twitter a luta pela sobrevivência e os horrores da guerra em Alepo, teve de abandonar a sua casa que foi bombardeada mas está bem, disse hoje o seu pai à Agência France Press. A conta esteve fechada domingo, mas foi entretanto reativada e tem hoje uma nova publicação de Bana.

  • Parkinson pode ter início nos intestinos

    Mundo

    Um novo estudo científico vem revelar que a doença de Parkinson pode não estar apenas no cérebro. A doença pode ter início nos intestinos e mais tarde migrar para o cérebro.