sicnot

Perfil

Mundo

Cerca de 200 mexicanos retidos há vários dias no aeroporto de Madrid

© Juan Medina / Reuters

Perto de 200 cidadãos mexicanos estão retidos há vários dias, nalguns casos há duas semanas, no Aeroporto de Barajas, em Madrid, à espera de vaga num voo de regresso a casa. Em comum têm o facto de terem adquirido um bilhete da Aeromexico de baixo custo, disponível apenas para funcionários da companhia aérea ou familiares. Estes bilhetes têm a particularidade de só darem acesso a voos nos quais haja lugares disponíveis, o que nem sempre acontece nesta altura do ano.

A Aeromexico alega que estes passageiros foram aconselhados a não viajar durante a época alta e que não seguiram essa recomendação. São muitos os que pernoitam no Aeroporto de Barajas, por não terem dinheiro para pagar um quarto nos estabelecimentos hoteleiros da capital espanhola.

De acordo com a agência Efe, a Aeromexico já recusou um pedido de 183 passageiros mexicanos para que a companhia aérea organizasse um voo extra de modo a que conseguissem regressar a casa.

Vários passageiros enviaram também um pedido de ajuda à embaixada do México em Madrid, mas até agora sem efeito, com o argumento de que não seria possível dar resposta a "um problema recorrente com a companhia Aeromexico".

Dulce Olveda, de 65 anos, disse ao jornal El País, que "muitas pessoas já não têm dinheiro para sobreviver".

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Fitch retira Portugal do "lixo"
    2:20
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".