sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 500 prisioneiros palestinianos em greve de fome

Mais de 500 palestinianos detidos nas prisões israelitas estão atualmente em greve de fome, tendo iniciado o protesto nos últimos dois meses, disse à agência noticiosa espanhola EFE o presidente do Clube de Presos Palestinianos, Qadura Fares.

"Cerca de 100 deixaram de se alimentar em solidariedade com Bilal Kayed, em detenção administrativa, e mais de 400 estão em greve de fome para protestar contra as condições na prisão e os abusos que sofrem", explicou.

Bilal Kayed foi o detido que iniciou a vaga de greves de fome. Deveria ter sido libertado em junho após cumprir 14 anos de prisão, mas no dia da sua libertação ficou sob detenção administrativa e iniciou a greve de fome, que já se prolonga por 52 dias.

"A sua situação é muito perigosa. Está no Hospital de Barzalei, em Ashkelon (sul de Israel) e, segundo os médicos israelitas, pode morrer a qualquer momento. Permitiram-lhe ver o advogado, mas não a família", disse Fares.

Presos da Frente Popular de Libertação da Palestina foram entrando em greve de fome em apoio a Kayed e, semanas mais tarde, dezenas de presos foram começando também uma greve de fome contra o que consideram o agravamento das suas condições na prisão.

Segundo a organização palestiniana de ajuda aos prisioneiros Adamir, Israel tem detidos 7 mil palestinianos, dos quais mais de 700 estão sob detenção administrativa, ou seja, sem julgamento ou acusação.

Lusa

  • Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já têm cadastro
    1:59

    Crise no Sporting

    Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já foram condenados por 22 crimes que cometeram no passado, mas nunca nenhum deles cumpriu pena de prisão ou prisão domiciliária. O juiz decretou a prisão preventiva na sequência das agressões à equipa do Sporting por entender que se tratou de um comportamento chocante, terrorista e a perversão do espírito desportivo.

  • Está a pensar ir à praia? Não se esqueça do guarda-chuva
    0:43
  • MP investiga ministro Siza Vieira, António Costa rejeita incompatibilidades
    2:12

    País

    O Ministério Público decidiu investigar o ministro Adjunto, Pedro Siza Vieira, por alegadas incompatibilidades. O governante criou uma empresa imobiliária um dia antes de tomar posse e manteve-se como gerente durante dois meses. A lei prevê a demissão, mas o primeiro-ministro já disse que se tratou apenas de um erro e o próprio ministro alega desconhecimento da lei.

  • Parceiros sociais retomam hoje discussão sobre legislação laboral

    Economia

    Os parceiros sociais retomam esta tarde a discussão sobre as alterações à legislação laboral nas áreas do combate à precariedade, promoção da negociação coletiva e reforço da inspeção do trabalho. No encontro, marcado para as 15:00 no Conselho Económico e Social (CES), em Lisboa, o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, deverá apresentar um novo documento com alterações face ao que foi proposto aos parceiros sociais há dois meses.

  • EUA expulsa dois diplomatas venezuelanos e dá-lhes 48 horas para deixarem o país

    Mundo

    Os Estados Unidos anunciaram, na quarta-feira, a expulsão de dois diplomatas venezuelanos, aos quais deu um prazo de 48 horas para sairem do país. A decisão é a resposta ao anúncio de Presidente da Venezuela de expulsar o encarregado de negócios e o chefe da secção política da embaixada dos Estados Unidos em Caracas, Todd Robinson e Brian Naranjo, respetivamente.