sicnot

Perfil

Mundo

Incêndio que lavra há 5 dias em La Palma não chegou às casas

Incêndio que lavra há 5 dias em La Palma não chegou às casas

O incêndio de grandes dimensões na ilha La Palma, nas Canárias, continua por controlar. Por precaução, 500 pessoas foram retiradas durante a noite de duas cidades, Montes de Luna e Tigalate, que acabaram por não ser atingidas pelas chamas.

O presidente do município de Mazo, José María Pestana, indicou hoje à Agência Efe que o fogo, que está ativo na ilha de La Palma desde há cinco dias e já queimou milhares de hectares de terreno, não chegou ao cordão de segurança que se estabeleceu com meios terrestres para evitar que as chamas alcancem as casas.

Desde as 07:45 da manhã que os bombeiros tentam apagar o fogo no vulcão de El Cabrito, por baixo do qual se localizam estes bairros, com cinco meios aéreos, aos quais se foram juntando durante a manhã mais seis, acrescentou o responsável municipal.

Das 500 pessoas que foram retiradas das suas habitações durante a noite, 30 encontram-se no Centro de Cultura Andares e as restantes em casas de familiares ou amigos.

  • Turistas chegam a esperar 2 horas no controlo de passaporte do Aeroporto de Lisboa
    2:35

    País

    Chegar ao Aeroporto de Lisboa pode ser uma dor de cabeça para centenas de passageiros. A espera para o controlo de passaporte chegou a ultrapassar as duas horas nos meses de fevereiro e março. Manuela Niza, do Sindicato dos Funcionários do Serviços de Estrangeiros e Fronteiras, diz que têm sido contratados inspetores que depois são desviados para outros serviços.

  • Hasta pública de madeira ardida rendeu 2,85 milhões de euros

    País

    Mais de meia centena de lotes de madeira ardida proveniente de matas nacionais e perímetros florestais geridos pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) foram esta quinta-feira vendidos por 2,85 milhões de euros, numa hasta pública em Viseu.

  • "Dinheiro gasto em contentores dava para construir outro hospital" no Porto
    1:40

    País

    A bastonária dos Enfermeiros pede uma investigação aos contratos de contentores no Hospital de São João, no Porto. Ana Rita Cavaco diz que os "milhares de euros" já gastos na contratação e manutenção dos contentores da Pediatria e outros serviços do centro Hospitalar de São João davam para construir um novo hospital. E levanta ainda a suspeita sobre a empresa contratada.