sicnot

Perfil

Mundo

Setor ferroviário do Reino Unido em greve até sexta-feira

Reuters

Os trabalhadores ferroviários do Reino Unido iniciam uma greve que vai durar até sexta-feira, contra a introdução de um mecanismo que dá aos maquinistas o controlo sobre a abertura e fecho das portas dos comboios.

Na sequência da greve de cinco dias, que pode vir ser a greve mais longa do setor ferroviário britânico desde 1968, os serviços que ligam Londres ao sul do país vão estar parcialmente interrompidos, com supressões de comboios e anomalias nos horários.

A Southern Railway, gestora do serviço ferroviário na zona sul do Reino Unido, indica que o protesto "vai afetar de maneira significativa" o tráfego ferroviário, mas 60% dos serviços deverão estar assegurados.

A greve foi convocada pela união sindical RMT, que se opõe a que os maquinistas passem a controlar a abertura e fecho automático das portas, algo que, segundo o sindicato, pode por em causa a segurança dos passageiros.

Atualmente, os comboios da Southern Railway requerem o trabalho de duas pessoas: o maquinista e um funcionário que verifica o fecho das portas.

Com a instalação de portas automáticas controladas pelo maquinista, como acontece nos metros de Lisboa ou do Porto, os funcionários podem ser dispensados, embora a Southern Railway não tenha anunciado despedimentos.

Mick Cash, secretário-geral da união sindical RMT, disse hoje tratar-se de "um movimento de greve duro" e que a primeira manhã do período de greve teve um apoio "sólido".

"Partilhamos da raiva e frustração dos passageiros e não podemos ficar sentados quando os empregos e a segurança ficam comprometidos em comboios perigosamente sobrelotados", disse Cash.

Charles Horton, chefe executivo da companhia que gere a rede Southern replicou, numa nota enviada aos passageiros que a empresa pretende "introduzir comboios novos e modernos com mais espaço e capacidade".

"Queremos fazer alterações essenciais no modo como operamos, incluindo passar a responsabilidade aos maquinistas para o fecho das portas, para que os funcionários a bordo se possam concentrar em ajudar-vos nas viagens", refere a nota aos passageiros.

Outros incidentes, aliados à escassez de funcionários, têm irritado os utilizadores da rede e geraram apelos para que o Governo mude a entidade gestora.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.