sicnot

Perfil

Mundo

Setor ferroviário do Reino Unido em greve até sexta-feira

Reuters

Os trabalhadores ferroviários do Reino Unido iniciam uma greve que vai durar até sexta-feira, contra a introdução de um mecanismo que dá aos maquinistas o controlo sobre a abertura e fecho das portas dos comboios.

Na sequência da greve de cinco dias, que pode vir ser a greve mais longa do setor ferroviário britânico desde 1968, os serviços que ligam Londres ao sul do país vão estar parcialmente interrompidos, com supressões de comboios e anomalias nos horários.

A Southern Railway, gestora do serviço ferroviário na zona sul do Reino Unido, indica que o protesto "vai afetar de maneira significativa" o tráfego ferroviário, mas 60% dos serviços deverão estar assegurados.

A greve foi convocada pela união sindical RMT, que se opõe a que os maquinistas passem a controlar a abertura e fecho automático das portas, algo que, segundo o sindicato, pode por em causa a segurança dos passageiros.

Atualmente, os comboios da Southern Railway requerem o trabalho de duas pessoas: o maquinista e um funcionário que verifica o fecho das portas.

Com a instalação de portas automáticas controladas pelo maquinista, como acontece nos metros de Lisboa ou do Porto, os funcionários podem ser dispensados, embora a Southern Railway não tenha anunciado despedimentos.

Mick Cash, secretário-geral da união sindical RMT, disse hoje tratar-se de "um movimento de greve duro" e que a primeira manhã do período de greve teve um apoio "sólido".

"Partilhamos da raiva e frustração dos passageiros e não podemos ficar sentados quando os empregos e a segurança ficam comprometidos em comboios perigosamente sobrelotados", disse Cash.

Charles Horton, chefe executivo da companhia que gere a rede Southern replicou, numa nota enviada aos passageiros que a empresa pretende "introduzir comboios novos e modernos com mais espaço e capacidade".

"Queremos fazer alterações essenciais no modo como operamos, incluindo passar a responsabilidade aos maquinistas para o fecho das portas, para que os funcionários a bordo se possam concentrar em ajudar-vos nas viagens", refere a nota aos passageiros.

Outros incidentes, aliados à escassez de funcionários, têm irritado os utilizadores da rede e geraram apelos para que o Governo mude a entidade gestora.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.