sicnot

Perfil

Mundo

Ativista indiana termina greve de fome ao fim de 16 anos

​A ativista indiana Irom Sharmila terminou a greve de fome que cumpria há 16 anos, em protesto contra uma lei que dá poderes especiais às forças armadas em certas zonas da Índia.

Detida por tentativa de suicídio -- um crime na Índia -- e alimentada à força por uma sonda nasal, Sharmila confirmou hoje aos jornalistas que a esperavam, no exterior de um tribunal de Imphal, capital do estado de Manipur, que foi "libertada sob caução", após um "acordo escrito", cita a agência francesa AFP. A ativista disse aos jornalistas que "não é claro" se vai mesmo poder ficar em liberdade.

Sharmila entrou no tribunal de Imphal pouco antes das 11h00 (hora local, 06h30 em Lisboa), onde informou o juiz da sua decisão de terminar com um protesto que mantinha desde 2000, disse à agência espanhola EFE o advogado da ativista, Naveen Kumar.

A EFE teve acesso à ata da audiência, na qual se lê que o juiz aceitou que Sharmila saísse em liberdade a troca de uma caução de 10 mil rupias (135 euros).

Segundo adiantou Babloo Loitongban, porta-voz de Sharmila, a ativista terá de comparecer no mesmo tribunal no próximo dia 23 de agosto.

A interação da conhecida "dama de ferro de Manipur" com a comunicação social foi, porém, breve, tendo Sharmila sido levada para o hospital-prisão Jawaharlal Nehru, em Imphal, onde esteve confinada nos últimos anos.

A greve de fome de duração sem precedentes fez da indiana de 44 anos um ícone internacional da defesa dos direitos humanos.

Foi com surpresa que a Índia e o mundo receberam o anúncio, a 26 de julho, de que Sharmila abandonaria a greve de fome a 9 de agosto.

Sharmila anunciou uma mudança de estratégia, que passa por se apresentar às eleições regionais de 2017, como candidata independente.

"Tenho travado a minha luta sozinha e, por isso, decidi combater através da democracia, tornando-se deputada, em vez de continuar com o jejum", justificou, na altura.

Sharmila entrou em greve de fome a 5 de novembro de 2000, três dias depois de soldados indianos terem assassinado dez civis que estavam numa paragem de autocarro da povoação de Malom, no estado de Manipur, como represália por um ataque à bomba contra uma coluna militar.

Sharmila dedicou 16 anos de vida a combater a Lei dos Direitos Especiais das Forças Armadas, aprovada em 1958, que permite ao exército central atuar à margem do sistema judicial na região nordeste da Índia, onde proliferam os grupos secessionistas armados.

Entre os "direitos especiais" estão o uso da força letal contra quem não obedeça às ordens e a capacidade de atuar sem mandatos judiciais, discricionariedade que, nas palavras da organização Amnistia Internacional, permite às forças de segurança "executar e torturar com impunidade".

Lusa

  • Manuel Pinho suspeito de quatro offshores e pelo menos 1M€ em luvas do GES
    1:31
  • Fim de semana de chuva, trovoada e granizo
    0:50

    País

    O mau tempo está de regresso este fim de semana, sobretudo no sul do continente e na Madeira. Esta manhã, Faro acordou com uma chuva intensa de granizo, com quedas de árvores e pequenas inundações.

  • As imagens do granizo que caiu no Algarve
    0:47

    País

    Faro acordou hoje com uma intensa queda de granizo. Pedras de gelo, com cerca de meio centímetro de diâmetro, em especial entre as 06:30 e as 07:00 da manhã. Segundo o IPMA tratou-se de "uma linha de instabilidade" que foi subindo a norte, para os distritos de Beja e Setúbal, mas com menos intensidade" e que provocaram inundações pontuais na via publica e em garagens e algumas quedas de árvore.

  • Milhares de alunos trocam aulas pelas ruas contra armas nos EUA
    2:43
  • Rainha Isabel II faz hoje 92 anos
    2:36
  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59