sicnot

Perfil

Mundo

Parque aquático impede realização do "Dia do burkini" em França

​O parque aquático privado francês, onde uma associação de mulheres muçulmanas queria organizar um "dia do burkini" (fato-de-banho islâmico), rejeitou esta terça-feira a realização do evento, depois da forte polémica e medo de "perturbações da ordem pública".

A associação de mulheres, que trabalha nos bairros do norte de Marselha atingidos pela pobreza, tinha feito um pedido de reserva do SpeedWater Park para 10 de setembro, com o aviso às participantes para "não virem com duas peças", mas com um fato de banho escondendo o corpo "do peito aos joelhos".

A iniciativa, perfeitamente legal, causou contudo alvoroço entre as autoridades locais e alguns políticos, a maioria de direita e extrema-direita, que condenaram o evento como uma nova expressão de "comunitarismo" que punha em causa o modelo republicano e como "um atentado à dignidade das mulheres".

O SpeedWater Park e o município de Pennes-Mirabeau, cidade com 20 mil habitantes, onde se situa o parque aquático, acabaram por decidir "não manter" o pedido de reserva da associação de mulheres Smile 13, que não tinha confirmado a reserva nem pagado depósito, anunciaram o parque e a câmara num comunicado conjunto.

"Nem o SpeedWater Park, nem a cidade de Pennes-Mirabeau desejam ser palco de perturbações da ordem pública desencadeadas por questões que ultrapassam as suas atividades ou territórios", lê-se no comunicado, citado pela agência de notícias francesa, AFP.

Já a 3 de agosto, o presidente da câmara, Michel Amiel, tinha anunciado que iria emitir "um mandado de proibição" daquele evento.

"Posições ideológicas extremas estão a servir-se da polémica ligada a este evento para sanar conflitos nos quais o SpeedWater Park e Pennes-Mirabeau não desejam participar", explicam as duas entidades no texto conjunto.

A associação Smile 13, que se escusou a responder às solicitações dos media, constata na sua conta da rede social Facebook "com espanto e pesar a dimensão da polémica" em torno do evento.

Perante as ameaças recebidas -- nomeadamente balas de revólver enviadas por correio -, a associação disse ter "contactado a Assembleia contra a Islamofobia em França".

O uso de trajes islâmicos no espaço público é malvisto no país -- alvo desde 2015 de vários atentados jihadistas -- e o véu é proibido nas escolas e às funcionárias de serviços públicos.

O surgimento do "burkini" e de "hijabs" em coleções de moda foi criticado em março pela ministra socialista dos Direitos das Mulheres, Laurence Rossignol, que nele viu "a promoção do confinamento do corpo das mulheres".

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.