sicnot

Perfil

Mundo

Parque aquático impede realização do "Dia do burkini" em França

​O parque aquático privado francês, onde uma associação de mulheres muçulmanas queria organizar um "dia do burkini" (fato-de-banho islâmico), rejeitou esta terça-feira a realização do evento, depois da forte polémica e medo de "perturbações da ordem pública".

A associação de mulheres, que trabalha nos bairros do norte de Marselha atingidos pela pobreza, tinha feito um pedido de reserva do SpeedWater Park para 10 de setembro, com o aviso às participantes para "não virem com duas peças", mas com um fato de banho escondendo o corpo "do peito aos joelhos".

A iniciativa, perfeitamente legal, causou contudo alvoroço entre as autoridades locais e alguns políticos, a maioria de direita e extrema-direita, que condenaram o evento como uma nova expressão de "comunitarismo" que punha em causa o modelo republicano e como "um atentado à dignidade das mulheres".

O SpeedWater Park e o município de Pennes-Mirabeau, cidade com 20 mil habitantes, onde se situa o parque aquático, acabaram por decidir "não manter" o pedido de reserva da associação de mulheres Smile 13, que não tinha confirmado a reserva nem pagado depósito, anunciaram o parque e a câmara num comunicado conjunto.

"Nem o SpeedWater Park, nem a cidade de Pennes-Mirabeau desejam ser palco de perturbações da ordem pública desencadeadas por questões que ultrapassam as suas atividades ou territórios", lê-se no comunicado, citado pela agência de notícias francesa, AFP.

Já a 3 de agosto, o presidente da câmara, Michel Amiel, tinha anunciado que iria emitir "um mandado de proibição" daquele evento.

"Posições ideológicas extremas estão a servir-se da polémica ligada a este evento para sanar conflitos nos quais o SpeedWater Park e Pennes-Mirabeau não desejam participar", explicam as duas entidades no texto conjunto.

A associação Smile 13, que se escusou a responder às solicitações dos media, constata na sua conta da rede social Facebook "com espanto e pesar a dimensão da polémica" em torno do evento.

Perante as ameaças recebidas -- nomeadamente balas de revólver enviadas por correio -, a associação disse ter "contactado a Assembleia contra a Islamofobia em França".

O uso de trajes islâmicos no espaço público é malvisto no país -- alvo desde 2015 de vários atentados jihadistas -- e o véu é proibido nas escolas e às funcionárias de serviços públicos.

O surgimento do "burkini" e de "hijabs" em coleções de moda foi criticado em março pela ministra socialista dos Direitos das Mulheres, Laurence Rossignol, que nele viu "a promoção do confinamento do corpo das mulheres".

Lusa

  • A easyJet não está a oferecer bilhetes no Facebook. Cuidado, é uma burla

    País

    Se esteve no Facebook nos últimos dias, provavelmente reparou na oferta de dois bilhetes para uma viagem da easyJet, a propósito do 22.º aniversário da companhia aérea britânica. Uma viagem para dois tinha tudo para correr bem, não fosse um esquema de burla, criado para obter os dados pessoais dos utilizadores que partilham a publicação na rede social.

  • Brasileiros procuram Portugal
    3:59

    País

    Viver em Portugal é hoje em dia um grande sonho da classe média brasileira. De acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, só em 2016, o número de vistos de residência aumentarem em mais de 30%. A língua, a segurança e a qualidade de vida são as razões apontadas para a mudança. Todos os dias, no consulado português no Rio de Janeiro, para a obtenção de vistos.

  • Big Ben em silêncio durante quatro anos
    2:15

    Mundo

    Esta segunda-feira ficou marcada pelas últimas badaladas dos famosos sinos do Big Ben, em Londres, no Reino Unido. A torre, na qual está instalada o relógio mais famoso do mundo, vai entrar em obras e os sinos só vão voltar a tocar em 2021.

  • Garrafa lançada ao mar em Rhodes recebe resposta de Gaza
    1:43

    Mundo

    A história parece de filme, mas aconteceu numa praia de Gaza. Um casal britânico lançou uma garrafa com uma mensagem ao mar, em julho, na ilha grega de Rhodes. A garrafa foi encontrada por um pescador numa praia de Gaza, que aproveitou para enviar a resposta, na qual falou sobre as restrições impostas por Israel.