sicnot

Perfil

Mundo

Referendo revogatório de Nicolás Maduro será em 2017 se oposição cumprir requisitos

© Marco Bello / Reuters

As autoridades eleitorais venezuelanas anunciaram esta terça-feira que se a oposição cumprir com os requisitos legais o próximo passo para ativar o referendo revogatório do Presidente Nicolás Maduro será em finais de outubro e a consulta popular em 2017.

O anúncio foi feito pela presidente do Conselho Nacional Eleitoral (CNE), Tibisay Lucena, durante uma conferência de imprensa em Caracas, em que vincou que aquele organismo "não aceita pressões de ninguém" e que tem como "dever" a "garantia dos direitos constitucionais".

"Se se cumprem todos os requisitos estabelecidos nas normas para a recolha de assinaturas, com todos os aspetos de segurança e técnico-operativos de logística, provavelmente a recolha dos 20% das assinaturas (dos eleitores), terá lugar em finais de outubro", disse.

Por outro lado informou que entre 14 e 16 de setembro o CNE anunciará as datas finais para a recolha as assinaturas e que aquele organismo "não pode acelerar, nem atrasar esse mecanismo constitucional" e que "tergiversar" as normas é "atentar contra a legalidade e golpear o estado de Direito".

A aliança da oposição, Mesa de Unidade Democrática (MUD), espera que as autoridades anunciem a nova data do processo do referendo revogatório para iniciar a recolha de 20% das assinaturas e impressões digitais de cidadãos inscritos no registo eleitoral.

Uma vez anunciada a data, a oposição disporá de três dias úteis para conseguir as assinaturas e impressões digitais de quatro milhões de eleitores, para o que a MUD já pediu ao CNE que habilite 14.500 centros de recolha de assinaturas, sublinhando que também é necessário ativar cerca de 40.000 máquinas eleitorais, distribuídas pelo 24 Estados do país.

Depois da oposição cumprir com a recolha dos quatro milhões de assinaturas e impressões digitais, o CNE dispõe de 15 dias úteis para validar esses procedimentos e depois mais três dias para anunciar a data de realização do referendo revogatório, o que deverá acontecer dentro dos 90 dias contínuos seguintes.

Trata-se de um longo processo, cuja primeira etapa começou com a recolha de 1% das assinaturas dos eleitores, manifestando a intenção de solicitar um referendo revogatório do mandato do chefe de Estado, que entretanto foram validadas pelo CNE.

A oposição quer realizar o referendo revogatório ainda em 2016 e tem acusado o CNE de atrasar a calendarização das diferentes etapas do processo, que começou a 02 maio deste ano, e insiste que em 2004 aquele organismo realizou, em apenas quatro meses, o processo que levou a um referendo revogatório que reconfirmou que o falecido líder socialista Hugo Chávez (presidiu o país entre 1999 e 2013) continuaria a dirigir o país.

Se o referendo se realizar até 10 de janeiro de 2017 deverão ser convocadas novas eleições presidenciais, segundo a legislação venezuelana.

Se o referendo for convocado para depois dessa data, o atual vice-Presidente da Venezuela, Aristóbulo Isturiz, assumirá os destinos do país até 2019, quando termina o atual mandato presidencial.

Simpatizantes de Nicolás Maduro e ministros do seu Governo têm insistido que será impossível realizar o referendo ainda em 2016.

Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.