sicnot

Perfil

Mundo

Ataques da Rússia matam pelo menos 30 pessoas na cidade de Raqa

Comandante russo das operações na Síria Sergei Rudskoy em conferência de imprensa.

© MAXIM ZMEYEV / Reuters

Os ataques aéreos da Rússia contra Raqa, bastião do grupo extremista Daesh no norte da Síria, mataram pelo menos 30 pessoas, entre jihadistas e civis, anunciou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

A organização - com sede em Londres e que se opõe ao governo sírio - contabilizou dez raides aéreos visando a cidade de Raqa e seus arredores, que fizeram ainda, pelo menos, 70 feridos.

O observatório, citado pela agência francesa AFP, adiantou que "pelo menos 24 dos 30 mortos são civis".

A Rússia, aliada do regime do Presidente sírio Bashar al-Assad, confirmou que seis aviões Tupolev desencadearam ataques na zona de Raqa, com o objetivo, conseguido, de demolir "uma fábrica de armas químicas, nos arredores noroeste da cidade".

O Ministério da Defesa russo adiantou que os ataques destruíram ainda um armazém de armas e um campo de treino do Estado Islâmico, nas zonas norte e sudeste da cidade.

Segundo Moscovo, o grupo extremista sofreu "danos materiais significativos" e "um grande número de combatentes foi morto".

Os ataques aconteceram um dia depois de a Rússia ter anunciado que cumprirá um cessar-fogo de três horas, todos os dias para permitir o acesso da ajuda humanitária à cidade sitiada de Alepo, onde se travam os mais fortes combates entre as forças leais a al-Assad e grupos combatentes rebeldes que contestam o regime.

As Nações Unidas alertaram que é urgente o acesso da ajuda humanitária a Alepo, frisando que existe um grave risco de falta de água e proliferação de doenças.

O conflito na Síria, desencadeado em 2011 após a repressão de manifestações pacíficas contra o regime, já fez mais de 290.000 mortos, obrigou à fuga mais de metade da população do país e provocou uma grave crise humanitária.

Lusa

  • Da Al-Qaeda do Iraque ao Daesh

    Daesh

    Daesh é a mais recente denominação de um grupo radical islâmico (sunita) que pretende instituir um califado – um Estado dirigido por um único poder político e religioso regulamentado pela lei islâmica, a Sharia. Ainda limitado ao território conquistado à Síria e ao norte e oeste do Iraque, promete expandir-se e “quebrar as fronteiras” da Jordânia e do Líbano e “libertar” a Palestina. É liderado por Ibrahim Awad Ibrahim Ali al-Badri al-Samarrai, conhecido como Abu Bakr al-Baghdadi, desde 2010, altura em que se chamava Al-Qaeda do Iraque e depois Estado Islâmico do Iraque. Em abril de 2013 o nome do grupo foi alterado para Daesh - Estado Islâmico do Iraque e Levante (ISIL em português, ISIS em inglês), quando agrupou a Al-Qaeda do Iraque e um ramo dissidente do grupo sírio Frente al-Nusra, constituído para combater o Presidente sírio Bashar al-Assad. A designação Estado Islâmico é anunciada em Junho de 2014 com a instituição do autodenominado califado e al-Baghdadi é proclamado califa Ibrahim.

  • Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já têm cadastro
    1:59

    Crise no Sporting

    Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já foram condenados por 22 crimes que cometeram no passado, mas nunca nenhum deles cumpriu pena de prisão ou prisão domiciliária. O juiz decretou a prisão preventiva na sequência das agressões à equipa do Sporting por entender que se tratou de um comportamento chocante, terrorista e a perversão do espírito desportivo.

  • Está a pensar ir à praia? Não se esqueça do guarda-chuva
    0:43
  • Abate de animais nos canis proibido a partir de setembro
    1:35

    País

    O abate de animais nos canis passa a ser proibido a partir de setembro. Só em 2017, foram mortos cerca de 12 mil cães e gatos, uma média de um abate por hora. O Governo lançou um programa de incentivos financeiros de um milhão de euros, que ainda está a decorrer.

  • Cabazes solidários oferecidos pelo Governo encontrados no lixo
    0:57
  • Colheita da cereja já arrancou no Fundão
    1:54

    País

    A colheita das primeiras cerejas da época já começou no Fundão. A campanha atrasou um mês em relação a anos anteriores, por causa do inverno que se prolongou, mas os produtores garantem que o fruto é de qualidade.