sicnot

Perfil

Mundo

Bruxelas quer reforçar normas de privacidade para Skype e WhatsApp

Reuters

A Comissão Europeia está a preparar uma reforma das normas europeias de telecomunicações para endurecer os requisitos de privacidade e confidencialidade que serviços como WhatsApp e Skype devem cumprir, disse esta terça-feira à Efe a instituição comunitária.

Bruxelas está já a trabalhar nas mudanças legislativas que serão apresentadas pela primeira vez em setembro, como adiantou ao Financial Times e confirmou hoje à Efe a porta-voz para o Mercado Único Digital, Nathalie Vandystadt.

"A Comissão está a trabalhar na atualização das regras de telecomunicações da UE", afirmou a porta-voz, que acrescentou que Bruxelas vai dar este passo porque os denominados serviços de comunicação 'over-the-top' (OTT) '[que usam a Internet para oferecer aplicações de telefonia, vídeo e mensagens, sem serem operadoras de telecomunicações] como WhatsApp e Skype têm cada vez mais uma oferta semelhante aos dos operadores tradicionais.

Num setor dominado por empresas norte-americanas, a Comissão Europeia considera que é preciso analisar se "o alcance das regras atuais da UE tem de ser adaptado para garantir níveis adequados de proteção do consumidor, assim como assegurar que a legislação não leva a uma distorção da concorrência".

A próxima reforma das telecomunicações "deve incentivar e estimular um maior investimento privado em redes de nova geração, a previsibilidade legal e as condições adequadas de investimento para todos os operadores", acrescentou Vandystadt.

No início do mês, a Comissão Europeia tinha publicado os resultados preliminares de uma consulta pública sobre a revisão da diretiva ePrivacy, tendo a maioria dos participantes considerado necessária uma maior regulação específica da privacidade das comunicações eletrónicas.

A revisão desta diretiva é uma das iniciativas chave da estratégia do Mercado Único Digital com a qual Bruxelas pretende garantir o nível de proteção dos utilizadores e condições equitativas para todos os atores do mercado.

Lusa

  • Mark Zuckerberg, o Instagram e a fita-cola

    Mundo

    O homem que fundou a maior rede social do mundo, que concentra todos os dias informação pessoal de mais de um bilião de pessoas, parece estar preocupado com a sua privacidade. Mark Zuckerberg publicou uma fotografia por celebração dos 500 milhões de utilizadores mensais do Instagram. Numa observação mais cuidada, pode ver-se a câmara do seu Macbook, bem como a entrada audio, tapados com fita-cola.

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.