sicnot

Perfil

Mundo

Bruxelas quer reforçar normas de privacidade para Skype e WhatsApp

Reuters

A Comissão Europeia está a preparar uma reforma das normas europeias de telecomunicações para endurecer os requisitos de privacidade e confidencialidade que serviços como WhatsApp e Skype devem cumprir, disse esta terça-feira à Efe a instituição comunitária.

Bruxelas está já a trabalhar nas mudanças legislativas que serão apresentadas pela primeira vez em setembro, como adiantou ao Financial Times e confirmou hoje à Efe a porta-voz para o Mercado Único Digital, Nathalie Vandystadt.

"A Comissão está a trabalhar na atualização das regras de telecomunicações da UE", afirmou a porta-voz, que acrescentou que Bruxelas vai dar este passo porque os denominados serviços de comunicação 'over-the-top' (OTT) '[que usam a Internet para oferecer aplicações de telefonia, vídeo e mensagens, sem serem operadoras de telecomunicações] como WhatsApp e Skype têm cada vez mais uma oferta semelhante aos dos operadores tradicionais.

Num setor dominado por empresas norte-americanas, a Comissão Europeia considera que é preciso analisar se "o alcance das regras atuais da UE tem de ser adaptado para garantir níveis adequados de proteção do consumidor, assim como assegurar que a legislação não leva a uma distorção da concorrência".

A próxima reforma das telecomunicações "deve incentivar e estimular um maior investimento privado em redes de nova geração, a previsibilidade legal e as condições adequadas de investimento para todos os operadores", acrescentou Vandystadt.

No início do mês, a Comissão Europeia tinha publicado os resultados preliminares de uma consulta pública sobre a revisão da diretiva ePrivacy, tendo a maioria dos participantes considerado necessária uma maior regulação específica da privacidade das comunicações eletrónicas.

A revisão desta diretiva é uma das iniciativas chave da estratégia do Mercado Único Digital com a qual Bruxelas pretende garantir o nível de proteção dos utilizadores e condições equitativas para todos os atores do mercado.

Lusa

  • Mark Zuckerberg, o Instagram e a fita-cola

    Mundo

    O homem que fundou a maior rede social do mundo, que concentra todos os dias informação pessoal de mais de um bilião de pessoas, parece estar preocupado com a sua privacidade. Mark Zuckerberg publicou uma fotografia por celebração dos 500 milhões de utilizadores mensais do Instagram. Numa observação mais cuidada, pode ver-se a câmara do seu Macbook, bem como a entrada audio, tapados com fita-cola.

  • "A vitória de Bruno de Carvalho pode ser uma vitória de Pirro"
    1:01
    O Dia Seguinte

    O Dia Seguinte

    2ªFEIRA 21:50

    As eleições para a presidência do Sporting realizam-se no próximo sábado e os comentadores d'O Dia Seguinte avaliaram já as hipóteses de vitória dos candidatos. Rui Gomes da Silva considera que a gravação que implicava José Maria Ricciardi não vai influenciar a decisão de voto. Já Paulo Farinha Alves acredita que Bruno de Carvalho vai vencer a eleição. Contudo José Guilherme Aguiar avisa as eleições podem não trazer estabilidade ao Sporting.

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • SIC revela relatório que provava falência do GES
    2:06
  • Sócrates acusa Cavaco de conspiração
    0:57
  • Bastidores do sambódromo: um espétaculo à parte
    3:22
  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22
  • Como a maioria de Esquerda gere as votações
    2:15

    País

    A gestão entre os partidos é feita diariamente mas nem sempre PCP e Bloco de Esquerda têm votado ao lado do Governo. A SIC ouviu um politólogo, que diz que o objetivo é cada um salientar as diferenças que os separam do PS. No entanto, também há exemplos que provam que nenhum dos partidos quer pôr em causa a estabilidade política.