sicnot

Perfil

Mundo

Filas de clientes à procura de produtos básicos aumentam na Venezuela

As tradicionais filas de clientes que procuram nos supermercados de Caracas produtos básicos, escassos no mercado local, aumentaram nos últimos dois dias, sendo ao mesmo tempo visível uma maior presença de militares e polícias junto daqueles estabelecimentos.

Em Chacaíto (leste de Caracas), junto do supermercado Central Madeirense (propriedade de portuguesas), duas anciãs portuguesas esperavam, hoje, junto a centenas de pessoas, para comprar "pelo menos um ou dois produtos dos que fazem falta lá em casa".

"Espero ter sorte e que me vendam, antes que termine, algo de 'harina pan' (farinha de milho moído), açúcar, margarina, óleo, massa e arroz", explicou uma delas à agência Lusa, queixando-se do "inclemente calor" e de que terá que acudir aos "bachaqueros" (vendedores informais) para comprar o que falta, dez vezes mais caro.

Juan Pérez, um humilde pedreiro de 45 anos que não reside na zona, disse à Lusa que está preocupado pela situação, porque dispensa mais de um um dia útil à semana, às vezes também os sábados e aos domingos, para tentar conseguir produtos básicos, importados pelo Estado a preços preferenciais, sem a certeza de que conseguirá o objetivo.

"Na passada quarta-feira, na zona vivo, fui fazer fila, um dia antes do dia que me corresponde (pelo último número do Bilhete de Identidade). Queria comprar pelo menos óleo, farinha de milho, arroz, massa, margarina e açúcar. Pelo número que me deram já havia mais de 1.200 pessoas pela minha frente, todas anotadas por antecipação", disse.

Contrariado, explicou que na quinta-feira saiu de casa pelas 04:00 horas da manhã, com o seu número, para a fila e durante todo o dia apenas conseguiu comprar "uma garrafa de óleo, 'cedido' por uma rapariga que não tinha dinheiro suficiente" e o produto acabou-se, com algumas centenas de pessoas a terem que abandonar o estabelecimento sem comprar nada.

"Trabalho por conta própria. Não trabalhei esse dia e por isso não tive senha. Perdi tempo também na quarta-feira para me inscrever. Tenho uma criança que alimentar e hoje, ao passar por aqui, disseram-me que chegaram algumas coisas para vender. Tive que adiar o trabalho e ainda assim serei obrigado a recorrer ao mercado negro", disse.

Algumas das pessoas na fila queixavam-se de que os preços de alguns produtos, cujos valores não estão tabelados (afixados) pelo Governo, aumentaram para quase o dobro no espaço de uma semana, enquanto outras esperavam que "o que fosse vendido" chegasse para todos.

Na Venezuela são frequentes as queixas dos cidadãos de dificuldades para conseguir produtos básicos e medicamentos que escasseiam no mercado local.

Estes produtos chegam aos supermercados em quantidades insuficientes para a população e custodiados por oficiais da Guarda Nacional Bolivariana (polícia militar) e da Polícia Nacional Bolivariana, sendo muitas vezes vendidos antes de ser colocados nas prateleiras.

Lusa

  • Manuel Pinho suspeito de quatro offshores e pelo menos 1M€ em luvas do GES
    1:31
  • Fim de semana de chuva, trovoada e granizo
    0:50

    País

    O mau tempo está de regresso este fim de semana, sobretudo no sul do continente e na Madeira. Esta manhã, Faro acordou com uma chuva intensa de granizo, com quedas de árvores e pequenas inundações.

  • As imagens do granizo que caiu no Algarve
    0:47

    País

    Faro acordou hoje com uma intensa queda de granizo. Pedras de gelo, com cerca de meio centímetro de diâmetro, em especial entre as 06:30 e as 07:00 da manhã. Segundo o IPMA tratou-se de "uma linha de instabilidade" que foi subindo a norte, para os distritos de Beja e Setúbal, mas com menos intensidade" e que provocaram inundações pontuais na via publica e em garagens e algumas quedas de árvore.

  • Alunos trocam aulas pelas ruas contra armas nos EUA
    2:43
  • Rainha Isabel II faz hoje 92 anos
    2:36
  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59