sicnot

Perfil

Mundo

Onze mortos e 19 feridos em ataque a hospital no Iémen

Onze pessoas, incluindo um elemento dos Médicos Sem Fronteiras (MSF), foram mortas e 19 ficaram feridas num ataque aéreo que atingiu um hospital em Abs, no Iémen, anunciou a organização humanitária.

"A explosão matou de imediato 9 pessoas e duas outras acabaram por morrer quando foram transferidas" para um outro hospital, indicou em comunicado a organização MSF.

Antes, os rebeldes iemenitas tinham anunciado que o bombardeamento fez seis mortos e 20 feridos, atribuindo o ataque à aviação da coligação árabe aliada do poder. O ataque ocorreu numa região controlada pelos rebeldes no norte do país.

Os Estados Unidos manifestaram hoje a sua preocupação depois de ter sido anunciado o bombardeamento do hospital onde a MSF tem uma equipa, mas sem condenarem explicitamente a coligação árabe liderada pela Arábia Saudita.

"Estamos profundamente preocupados com as informações sobre um ataque a um hospital no norte do Iémen (...). Os ataques a infraestruturas humanitárias, nomeadamente hospitais, são inquietantes", afirmou a porta-voz do Departamento de Estado Elizabeth Trudeau.

A porta-voz exortou "todas as partes a cessarem imediatamente as hostilidades".

Questionada sobre uma eventual responsabilidade da coligação no ocorrido, a diplomata limitou-se a dizer que os Estados Unidos permanecem em contacto com os sauditas.

Washington tem apoiado desde o início do conflito, em março de 2015, a coligação liderada por Riade, continuando a vender equipamento de defesa à Arábia Saudita.

A coligação árabe tem intensificado os ataques a posições dos rebeldes desde o fim das conversações de paz no Kuwait, no passado dia 6 de agosto.

Lusa

  • Duplo atentado no Iémen mata pelo menos 14 pessoas

    Mundo

    Subiu para 14 a previsão do número de mortos causados pelo atentado terrorista desta manhã no quartel Al Sulban, no sul do Iémen. Um veículo armadilhado explodiu nas imediações do porto de controlo, junto ao aeroporto internacional de Aden. Os atentados ainda não foram reinvidicados, embora a Al Qaeda e o Estado Islâmico operem na região.