sicnot

Perfil

Mundo

Duas crianças e um homem mortos por fios de papagaios na Índia

Duas crianças e um homem morreram na capital indiana, Nova Deli, depois de sofrerem ferimentos graves na garganta provocados por fios de fibra de vidro utilizados em papagaios de papel, divulgou a polícia local esta quarta-feira.

As mortes ocorreram durante os festejos do Dia da Independência, assinalado na segunda-feira.

Após estes incidentes, as autoridades indianas decidiram proibir, com efeito imediato, a produção, venda e armazenamento deste tipo de fio, muito cortante e utilizado para "combates" entre papagaios de papel.

O governo de Nova Deli informou que quem utilizar este tipo de fio, conhecido localmente como manjha, pode enfrentar uma pena de prisão até cinco anos e uma coima de 100.000 rupias (cerca de 1,500 dólares, 1,330 euros).

As duas crianças, com quatro e seis anos de idade, morreram em dois incidentes separados, quando colocaram a cabeça de fora dos tetos solares dos automóveis em que seguiam para observarem os papagaios.

As crianças "ficaram enredadas nos fios mortais", explicou, em declarações à agência noticiosa francesa AFP, o comissário adjunto da polícia da zona oeste de Nova Deli, Pushpender Kumar.

O homem de 22 anos morreu da mesma forma quando circulava de mota, indicou outro elemento da polícia local.

Ninguém foi detido por causa destas mortes.

Outra criança de cinco anos e um agente da polícia também ficaram gravemente feridos em outros incidentes envolvendo este tipo de fio, segundo acrescentaram fontes locais.

O lançamento de papagaios de papel é uma prática muito popular durante os festejos do Dia da Independência.

Na semana passada, o Supremo Tribunal de Nova Deli apelou às autoridades locais para tentarem sensibilizar a população para os perigos da utilização deste tipo de fio, indicando na mesma altura que tinham sido registadas várias vítimas mortais nos últimos anos naquele estado e em outros dois estados vizinhos.

Após a ocorrência de vários acidentes, alguns estados indianos decidiram proibir a utilização destes fios.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combnate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.