sicnot

Perfil

Mundo

Duas crianças e um homem mortos por fios de papagaios na Índia

Duas crianças e um homem morreram na capital indiana, Nova Deli, depois de sofrerem ferimentos graves na garganta provocados por fios de fibra de vidro utilizados em papagaios de papel, divulgou a polícia local esta quarta-feira.

As mortes ocorreram durante os festejos do Dia da Independência, assinalado na segunda-feira.

Após estes incidentes, as autoridades indianas decidiram proibir, com efeito imediato, a produção, venda e armazenamento deste tipo de fio, muito cortante e utilizado para "combates" entre papagaios de papel.

O governo de Nova Deli informou que quem utilizar este tipo de fio, conhecido localmente como manjha, pode enfrentar uma pena de prisão até cinco anos e uma coima de 100.000 rupias (cerca de 1,500 dólares, 1,330 euros).

As duas crianças, com quatro e seis anos de idade, morreram em dois incidentes separados, quando colocaram a cabeça de fora dos tetos solares dos automóveis em que seguiam para observarem os papagaios.

As crianças "ficaram enredadas nos fios mortais", explicou, em declarações à agência noticiosa francesa AFP, o comissário adjunto da polícia da zona oeste de Nova Deli, Pushpender Kumar.

O homem de 22 anos morreu da mesma forma quando circulava de mota, indicou outro elemento da polícia local.

Ninguém foi detido por causa destas mortes.

Outra criança de cinco anos e um agente da polícia também ficaram gravemente feridos em outros incidentes envolvendo este tipo de fio, segundo acrescentaram fontes locais.

O lançamento de papagaios de papel é uma prática muito popular durante os festejos do Dia da Independência.

Na semana passada, o Supremo Tribunal de Nova Deli apelou às autoridades locais para tentarem sensibilizar a população para os perigos da utilização deste tipo de fio, indicando na mesma altura que tinham sido registadas várias vítimas mortais nos últimos anos naquele estado e em outros dois estados vizinhos.

Após a ocorrência de vários acidentes, alguns estados indianos decidiram proibir a utilização destes fios.

Lusa

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.