sicnot

Perfil

Mundo

Sobe para 11 o número de mortos em inundações no Luisiana

O Governo do Luisiana elevou para 11 o número de mortos causados pelas inundações que assolam o estado do sul dos Estados Unidos desde o fim de semana e já levaram ao resgate de cerca de 20.000 pessoas.

Segundo o centro meteorológico daquela zona ribeirinha do rio Mississípi, as inundações ocorreram após dois dias de chuva intensa numa área pantanosa e em alguns pontos abaixo do nível do mar, em "um incidente que se dá a cada cem anos".

A zona mais afetada foi a de Baton Rouge, com cinco mortes, enquanto em Tangipahoa foram registadas três, em St. Helena outras duas, e a restante em Rapides, segundo os dados do Departamento de Saúde do Luisiana.

O governador do Luisiana, John Bel Edwards, explicou em conferência de imprensa que 8.000 pessoas continuavam em abrigos e que outras 20.000 foram resgatadas.

"Isto ainda não terminou. As pessoas que deviam ter saído não o fizeram, pelo que estamos a resgatá-las", disse.

Grandes extensões de terreno continuam submersas e cerca de 40.000 casas estão inundadas, o que, refere a agência Efe, faz recordar o desastre do furacão Katrina em 2005, que causou cerca de 2.000 mortos.

Cerca de 60.000 pessoas registaram-se como afetadas pelas inundações para receberem ajudas do Governo federal.

O estado de emergência foi declarado em cerca de 30 áreas urbanas (equivalentes aos condados no Luisiana).

Lusa

  • A menina síria que relata a guerra no Twitter está bem, diz o pai

    Mundo

    Bana Alabed, a menina síria de 7 anos que conta no Twitter a luta pela sobrevivência e os horrores da guerra em Alepo, teve de abandonar a sua casa que foi bombardeada mas está bem, disse hoje o seu pai à Agência France Press. A conta esteve fechada domingo, mas foi entretanto reativada e tem hoje uma nova publicação de Bana.

  • Parkinson pode ter início nos intestinos

    Mundo

    Um novo estudo científico vem revelar que a doença de Parkinson pode não estar apenas no cérebro. A doença pode ter início nos intestinos e mais tarde migrar para o cérebro.