sicnot

Perfil

Mundo

Televisão estatal do Egipto retira apresentadoras do ar "até que percam peso"

A televisão estatal do Egito decidiu retirar diversas apresentadoras do ar até que percam peso, numa decisão que veio dividir a opinião pública no país, revelou esta quinta-feira a sua diretora, Safaa Hegazy.

Seis a oito apresentadoras vão ser afetadas pela medida que "surge no quadro do desenvolvimento, tanto na forma como no conteúdo, da programação", disse à agência AFP.

As apresentadoras terão a possibilidade de "continuar a trabalhar na produção durante o período que precisarem para perder peso".

"Elas podem regressar depois ao ecrã", ressalvou Safaa Hegazy.

A decisão foi qualificada de "discriminatória" nomeadamente por grupos de defesa dos direitos humanos.

É "vergonhosa" e "contrária" à Constituição, apontou o centro de assistência jurídica para as mulheres egípcias.

Khadija Khattab (na fotografia em baixo), pivô afetada pela medida, afirmou, também à agência noticiosa francesa, sentir-se "caluniada", considerando ainda que "a publicação dessa decisão nos jornais equivale a uma difamação contra as apresentadoras".

Hegazy rejeitou as acusações de sexismo: "Como pode haver discriminação contra as mulheres numa instituição gerida por uma?"

A chefe da União de Rádio e Televisão do Egito, que gere a televisão estatal, argumentou que as pivôs "já não são como eram" quando foram contratadas, sugerindo que engordaram.

Se alguns criticaram a medida, outros manifestaram o seu apoio.

"Concordo com esta decisão porque a aparência de uma apresentadora é um critério importante", observou Sami Abdel Aziz citado como um "especialista dos meios de comunicação social" ao diário estatal egípcio Al Ahram.

Lusa

  • Mais de um milhão de crianças em risco de morrer à fome
    1:23

    Mundo

    Cerca de 1.4 milhões de crianças estão em risco iminente de morrer à fome. Deste modo, a UNICEF faz um apelo urgente de cerca de 230 milhões de euros para levar nos próximos meses comida, água e serviços médicos a estas crianças. As imagens desta reportagem podem impressionar os espectadores mais sensíveis.

  • Vídeo amador mostra destruição na Síria
    1:04

    Mundo

    A guerra na Síria continua a fazer vítimas mortais. Um vídeo amador divulgado esta segunda-feira mostra o estado de uma localidade a este de Damasco, depois de um ataque aéreo no fim-de-semana. No ataque, 16 pessoas morreram e há várias dezenas de feridos.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35
  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32
  • Homem que esfaqueou mulher em Esmoriz é acusado de homicídio qualificado
    1:24

    País

    O homem que no sábado esfaqueou a mulher em Esmoriz está acusado de homicídio qualificado. O arguido de 50 anos foi ouvido esta segunda-feira pelo juiz de instrução e ficou em prisão preventiva, uma medida fundamentada pelo perigo de fuga e de alarme. O homem remeteu-se ao silêncio durante o interrogatório, no Tribunal de Aveiro.

  • Homem condenado a oito anos e meio por abuso sexual da mãe
    1:10

    País

    O Tribunal de Coimbra condenou esta segunda-feira um homem de 53 anos a oito anos e meio de prisão por abuso sexual da mãe e ainda por crimes de roubo e coação. A mãe, de 70 anos, sofria de problemas nervosos e consumia bebidas alcoólicas com frequência, tendo sido vítima de abuso sexual por parte do filho enquanto dormia. Os crimes cometidos remetem para o início de 2016, depois do homem já ter cumprido outras penas de prisão em Espanha.

  • Jovem de 21 anos morre colhida por comboio na linha da Beira Baixa
    0:43

    País

    Uma jovem de 21 anos morreu esta segunda-feira ao ser atropelada pelo comboio Intercidades à saída da estação de Castelo Branco, na linha da Beira Baixa. A vítima foi colhida pelo comboio que seguia no sentido Lisboa-Covilhã ao atravessar a linha de caminho de ferro. Este é um local onde não existe passagem de nível, mas habitualmente muitas pessoas arriscam fazer a travessia da linha.

  • Banco do Metro com pénis gera polémica no México

    Mundo

    Um banco em formato de homem com o pénis exposto, numa das carruagens de Metro da Cidade do México, está a gerar polémica. A iniciativa integra uma campanha contra o assédio sexual de que as mulheres são vítima no país.