sicnot

Perfil

Mundo

Escola de condução francesa propõe aulas só para muçulmanas

A realização de aulas exclusivas para mulheres muçulmanas numa escola de condução perto de Lyon está a gerar controvérsia em França, numa altura em que o país debate a polémica do uso do burkini e de outros símbolos muçulmanos.

A iniciativa da escola de condução da cidade francesa de Villefranche sur Saône está a gerar muitos comentários nas redes sociais e já obrigou o presidente da câmara daquela localidade, Bernard Perrut, a tomar uma posição sobre o assunto.

Em declarações a um canal local, Bernard Perrut pediu a intervenção do governo francês para que "a escola de condução siga as regras da República. Isto é, que trate homens e mulheres de forma igual".

"Afirmamos o nosso compromisso com os valores da República e a igualdade entre homens e mulheres e a nossa oposição contra qualquer tipo de comunitarismo", acrescentou a câmara local num comunicado.

Tudo começou com um anúncio de publicidade publicado num grupo na rede social Facebook intitulado "Muçulmanos de Villefranche sur Saône" que dizia: "Como prometemos, classes teóricas reservadas só para mulheres".

O mesmo anúncio indicava que as aulas práticas de condução para mulheres seriam realizadas só por uma instrutora, enquanto as aulas para homens seriam orientadas por um instrutor.

A dona da escola de condução, Sarah Bakar, que é apresentada como uma empresária muçulmana, assegurou que esta modalidade de aulas não está relacionada com questões religiosas e que surgiu em resposta à procura do mercado.

"Tenho muitas alunas mulheres que querem estar sozinhas, porque os rapazes são muito faladores e fazem muito barulho", assegurou a empresária.

Sarah Bakar lamentou a controvérsia gerada em torno da sua escola e afirmou que só queria "anunciar os preços atrativos".

Em declarações ao diário francês Le Figaro, a empresária afirmou não perceber como é que a situação evolui desta forma, realçando ainda que a escola tem aulas abertas para todas as pessoas que queiram participar.

Esta semana, mais de 10 municípios franceses proibiram o uso do burkini (fato-de-banho islâmico) nas suas praias, uma medida que tem o apoio do primeiro-ministro francês, Manuel Valls.

Hoje, o ministro do Interior alemão, Thomas de Maizière, defendeu a proibição da burca, o véu integral utilizado pelas mulheres islâmicas, em locais públicos e apelou ao debate sobre o assunto, justificando a medida como uma questão de integração.

Após uma reunião com os dirigentes regionais que fazem parte da coligação governamental, o ministro alemão disse que todos os intervenientes se mostraram a favor da interdição parcial da burca.

"Nós somos a favor da rejeição da burca. Concordamos sobre a necessidade de introdução de medidas legais que provem que mostrar o rosto é importante para a nossa sociedade: quando se conduz um automóvel, em repartições públicas, nas escolas, nas universidades, nos serviços públicos, nos tribunais", disse Thomas de Maizière.

"A burca não é compatível com o nosso país aberto ao mundo (...) e a questão é como vamos resolver isso juridicamente", referiu o ministro alemão.

  • Mulheres multadas em França por estarem "demasiado cobertas"
    0:46

    Mundo

    A recente proibição do burkini nas localidades francesas de Cannes e Sisco reabriu o debate na Europa sobre o uso do véu islâmico no espaços públicos. Várias mulheres que tomavam banho "demasiado cobertas" receberam advertências e foram mesmo multadas. As autoridades justificam a proibição do burkini com motivos de segurança, considerando que o fato de banho muçulmano demonstra, "de forma ostensiva, a pertença a uma religião".

  • Uso do burkini banido das praias de Cannes

    Mundo

    As autoridades locais de Cannes, no sul de França, proibiram o uso burkini, fato-de-banho islâmico que tapa totalmente o corpo. A decisão de banir a utilização do burkini das praias de Cannes baseia-se no facto desta peça de roupa "ser um símbolo do extremismo islâmico", explicou o presidente da Câmara, David Lisnard.

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.