sicnot

Perfil

Mundo

Escola de condução francesa propõe aulas só para muçulmanas

A realização de aulas exclusivas para mulheres muçulmanas numa escola de condução perto de Lyon está a gerar controvérsia em França, numa altura em que o país debate a polémica do uso do burkini e de outros símbolos muçulmanos.

A iniciativa da escola de condução da cidade francesa de Villefranche sur Saône está a gerar muitos comentários nas redes sociais e já obrigou o presidente da câmara daquela localidade, Bernard Perrut, a tomar uma posição sobre o assunto.

Em declarações a um canal local, Bernard Perrut pediu a intervenção do governo francês para que "a escola de condução siga as regras da República. Isto é, que trate homens e mulheres de forma igual".

"Afirmamos o nosso compromisso com os valores da República e a igualdade entre homens e mulheres e a nossa oposição contra qualquer tipo de comunitarismo", acrescentou a câmara local num comunicado.

Tudo começou com um anúncio de publicidade publicado num grupo na rede social Facebook intitulado "Muçulmanos de Villefranche sur Saône" que dizia: "Como prometemos, classes teóricas reservadas só para mulheres".

O mesmo anúncio indicava que as aulas práticas de condução para mulheres seriam realizadas só por uma instrutora, enquanto as aulas para homens seriam orientadas por um instrutor.

A dona da escola de condução, Sarah Bakar, que é apresentada como uma empresária muçulmana, assegurou que esta modalidade de aulas não está relacionada com questões religiosas e que surgiu em resposta à procura do mercado.

"Tenho muitas alunas mulheres que querem estar sozinhas, porque os rapazes são muito faladores e fazem muito barulho", assegurou a empresária.

Sarah Bakar lamentou a controvérsia gerada em torno da sua escola e afirmou que só queria "anunciar os preços atrativos".

Em declarações ao diário francês Le Figaro, a empresária afirmou não perceber como é que a situação evolui desta forma, realçando ainda que a escola tem aulas abertas para todas as pessoas que queiram participar.

Esta semana, mais de 10 municípios franceses proibiram o uso do burkini (fato-de-banho islâmico) nas suas praias, uma medida que tem o apoio do primeiro-ministro francês, Manuel Valls.

Hoje, o ministro do Interior alemão, Thomas de Maizière, defendeu a proibição da burca, o véu integral utilizado pelas mulheres islâmicas, em locais públicos e apelou ao debate sobre o assunto, justificando a medida como uma questão de integração.

Após uma reunião com os dirigentes regionais que fazem parte da coligação governamental, o ministro alemão disse que todos os intervenientes se mostraram a favor da interdição parcial da burca.

"Nós somos a favor da rejeição da burca. Concordamos sobre a necessidade de introdução de medidas legais que provem que mostrar o rosto é importante para a nossa sociedade: quando se conduz um automóvel, em repartições públicas, nas escolas, nas universidades, nos serviços públicos, nos tribunais", disse Thomas de Maizière.

"A burca não é compatível com o nosso país aberto ao mundo (...) e a questão é como vamos resolver isso juridicamente", referiu o ministro alemão.

  • Mulheres multadas em França por estarem "demasiado cobertas"
    0:46

    Mundo

    A recente proibição do burkini nas localidades francesas de Cannes e Sisco reabriu o debate na Europa sobre o uso do véu islâmico no espaços públicos. Várias mulheres que tomavam banho "demasiado cobertas" receberam advertências e foram mesmo multadas. As autoridades justificam a proibição do burkini com motivos de segurança, considerando que o fato de banho muçulmano demonstra, "de forma ostensiva, a pertença a uma religião".

  • Uso do burkini banido das praias de Cannes

    Mundo

    As autoridades locais de Cannes, no sul de França, proibiram o uso burkini, fato-de-banho islâmico que tapa totalmente o corpo. A decisão de banir a utilização do burkini das praias de Cannes baseia-se no facto desta peça de roupa "ser um símbolo do extremismo islâmico", explicou o presidente da Câmara, David Lisnard.

  • Explosão no aeroporto de Damasco

    Mundo

    Uma explosão de grandes dimensões atingiu, esta manhã, o aeroporto de Damasco, na capital Síria. O ataque terá sido realizado pelas forças israelitas.

    Em atualização

  • Habitantes de Almeida barricaram-se durante seis horas em agência da CGD
    2:31

    País

    Perto de 100 pessoas estiveram esta quarta-feira barricadas na agência da Caixa Geral de Depósitos em Almeida, distrito da Guarda. O protesto contra o encerramento da agência só terminou quase seis horas depois, com a garantia que os autarcas serão recebidos na próxima terça-feira pela Administração do banco público. 

  • Carro que atropelou adepto encontrado na casa de um amigo do suspeito
    2:18

    Desporto

    O carro que terá atropelado o adepto italiano que morreu junto ao Estádio da Luz foi encontrado esta terça-feira, numa garagem na Amadora, na casa de um amigo do suspeito. Trata-se de um homem na casa dos 30 anos que pertence à claque No Name boys e é agora procurado pela Polícia Judiciária.

  • Depois de dar a volta (de bicicleta de Lisboa a Setúbal)

    País

    Missão cumprida. A SIC foi dar uma volta de bicicleta, acompanhando a primeira etapa de uma iniciativa que pretende impulsionar o uso dos velocípedes no país. Ao longo desta quarta-feira, publicámos vários vídeos em direto na página de Facebook da SIC Notícias, que aqui reunimos, em jeito de balanço.

    Ricardo Rosa

  • Web Summit inaugura primeiro escritório fora da Irlanda em Lisboa
    1:58

    Web Summit

    A Web Summit inaugurou em Lisboa o primeiro escritório fora da Irlanda, que vai dar emprego a 20 pessoas, algumas portuguesas. O próximo objectivo é alargar eventos a outros pontos do país. A conferência internacional regressa a Lisboa entre 6 e 9 de novembro e a organização espera ter 60 mil participantes.

  • Ivanka Trump vaiada por defender o pai durante debate sobre igualdade de género
    1:51

    Mundo

    Com o propósito de criar pontes com Donald Trump, a chanceler alemã Angela Merkel convidou a filha mais velha do Presidente norte-americano para participar numa cimeira. No entanto as coisas não correram muito bem e Ivanka Trump foi vaiada pela audiência por ter defendido o pai quando o assunto era a igualdade de género. 

  • Papa apelou à revolução da ternura
    0:52
  • Irmã da mulher mais pesada do mundo acusa hospital de mentir

    Mundo

    A irmã da mulher egípcia que se acreditava ser a mais pesada do mundo acusou os médicos de mentirem acerca da sua perda de peso. No entanto, o hospital que realizou a cirurgia bariátrica já respondeu às acusações, defendendo que a mulher pesa agora 172 quilos.

  • Diário de John F. Kennedy vendido por 660 mil euros

    Mundo

    Um diário escrito por John F. Kennedy quando jovem, durante uma curta passagem pelo jornalismo, depois da II Guerra Mundial, foi vendido por mais de 700 mil dólares (642 mil euros), informou esta quarta-feira uma casa de leilões.