sicnot

Perfil

Mundo

Maduro avisa oposição que se tentar golpe vai reagir com mais força que Erdogan

O chefe de Estado da Venezuela, Nicolás Maduro, avisou esta quinta-feira que se a oposição "passar a fronteira do golpismo" vai responder com força e que o Presidente da Turquia "vai parecer um menino" ao pé da sua reação.

"Vocês viram o que se passou na Turquia? Erdogan vai parecer um menino ao pé do que vai fazer a revolução bolivariana se a direita passa a fronteira do golpismo", disse Nicolás Maduro, durante um encontro com apoiantes.

O Presidente venezuelano assegurou que aquela não é apenas uma frase, pois está preparado para o fazer, ao referir-se a uma reação forte a alguma tentativa de golpe de Estado.

"Atrevam-se, que aqui está a classe operária e o povo unido, quero paz, quero diálogo, quero prosperidade e vamos conquistá-la", afirmou.

Os apoiantes do antigo Presidente Hugo Chávez, que morreu de doença, acusam a oposição da Mesa da Unidade Democrática de quererem fazer um golpe de Estado a Nicolás Maduro.

A Mesa da Unidade Democrática está a tentar realizar um referendo para revogar o mandato de Nicolás Maduro ainda este ano como mecanismo democrático para acelerar o fim do Governo.

Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.