sicnot

Perfil

Mundo

Maduro avisa oposição que se tentar golpe vai reagir com mais força que Erdogan

O chefe de Estado da Venezuela, Nicolás Maduro, avisou esta quinta-feira que se a oposição "passar a fronteira do golpismo" vai responder com força e que o Presidente da Turquia "vai parecer um menino" ao pé da sua reação.

"Vocês viram o que se passou na Turquia? Erdogan vai parecer um menino ao pé do que vai fazer a revolução bolivariana se a direita passa a fronteira do golpismo", disse Nicolás Maduro, durante um encontro com apoiantes.

O Presidente venezuelano assegurou que aquela não é apenas uma frase, pois está preparado para o fazer, ao referir-se a uma reação forte a alguma tentativa de golpe de Estado.

"Atrevam-se, que aqui está a classe operária e o povo unido, quero paz, quero diálogo, quero prosperidade e vamos conquistá-la", afirmou.

Os apoiantes do antigo Presidente Hugo Chávez, que morreu de doença, acusam a oposição da Mesa da Unidade Democrática de quererem fazer um golpe de Estado a Nicolás Maduro.

A Mesa da Unidade Democrática está a tentar realizar um referendo para revogar o mandato de Nicolás Maduro ainda este ano como mecanismo democrático para acelerar o fim do Governo.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.