sicnot

Perfil

Mundo

Rússia ataca posições de jihadistas na Síria a partir do Mediterrâneo

A Rússia anunciou esta sexta-feira ter lançado ataques contra jihadistas na Síria, a partir de navios de guerra destacados no Mediterrâneo, depois de ter começado a utilizar, esta semana, um aeródromo no Irão para fazer decolar os seus bombardeiros.

"Os navios lança-mísseis Zeleny Dol e Serpoukhov da frota russa do mar Negro fizeram hoje três lançamentos de mísseis de cruzeiro contra alvos do grupo terrorista da Frente Fateh al-Cham (ex-Frente al-Nosra que renunciou à ligação à Al-Qaida) na Síria, indicou o Ministério da Defesa russo em comunicado.

"Um posto de comando e uma base de terroristas em Daret Ezaa (a oeste de Alepo), bem como uma unidade de fabrico e um importante depósito de munições na região de Alepo foram destruídos na sequência dos ataques", especifica a mesma nota.

O anúncio chega depois de a Rússia, que leva a cabo raides aéreos desde setembro último em apoio às forças do Presidente sírio Bashar al-Assad, bombardeou na terça-feira, pela primeira vez, alvos na Síria fazendo decolar os seus bombardeiros a partir do aeródromo militar de Hamedan, no noroeste do Irão.

Alepo, cidade-chave do conflito sírio, é atualmente palco de combates entre as forças de Damasco e rebeldes.

Desencadeado em março de 2011 pela repressão de manifestações pró-democracia, o conflito sírio tornou-se mais complexo com a intervenção de partes estrangeiras e a ascensão dos jihadistas e já causou mais de 290.000 mortos, tendo obrigado milhões de pessoas a abandonarem as suas casas.

Lusa

  • Prisão preventiva para marroquino suspeito de apoiar o Daesh

    País

    O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal impôs esta quinta-feira prisão preventiva ao cidadão marroquino, detido na Alemanha e entregue a Portugal, suspeito de adesão e apoio ao grupo extremista Daesh e recrutamento e financiamento ao terrorismo.

  • "A isto chama-se pura hipocrisia"
    1:13

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho classifica a atuação do Governo na gestão da Caixa Geral de Depósitos como um "manual de cinismo político insuportável", declarações feitas pelo líder do PSD durante a reunião do Conselho Nacional em Lisboa.