sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 9.000 civis morreram em ataques aéreos nos últimos 22 meses

Ataque perto da cidade síria de Damasco, onde várias pessoas morreram.

Pelo menos 9.307 civis morreram e 49.000 ficaram feridos em bombardeamentos da aviação síria em 13 províncias do país nos últimos 22 meses, segundo estatísticas divulgadas pelo Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

Das mais de nove mil pessoas que morreram no período entre 20 de outubro de 2014 até esta madrugada 1.992 eram menores e 1.327 mulheres.

Estes ataques aéreos provocaram também a morte a 5.244 combatentes de grupos armados islamitas, incluindo a organização jihadista Daesh.

Durante o período analisado, os caças e helicópteros do exército sírio realizaram, segundo o Observatório, pelo menos 64.455 bombardeamentos em Damasco e nos seus subúrbios, Alepo (norte), Homs (oeste) e Deraa (sul).

A única província que escapou aos ataques aéreos foi Tartus, junto à costa mediterrânica e feudo governamental.

O Observatório tem vindo a contar os bombardeamentos desde 20 de outubro de 2014, porque desde essa altura houve um aumento deste tipo de ataques.

A Organização Não-Governamental (ONG) anunciou ainda que os bombardeamentos da aviação russa mataram 8.139 pessoas desde finais de setembro do ano passado.

Entre estas vítimas, 3.089 eram civis, 743 menores, 2.574 eram combatentes do Daesh e 2.476 membros de outros grupos que lutam contra o regime sírio.

Lusa

  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Fatura da água a dobrar
    2:26

    Economia

    Desde o início do ano que a população de Celorico de Basto está a receber duas faturas da água para pagar. Tanto a Câmara como a Águas do Norte reclamam o direito a cobrar pelo serviço. Contactada pela SIC, a Entidade Reguladora esclarece que o município não pode emitir faturas e tem de devolver o dinheiro.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43

    Daesh

    Há suspeitas de que o Daesh tenha criado uma vala comum com cerca de seis mil corpos a sul de Mossul, no Iraque. A área em redor estará minada. A revelação é de uma equipa de reportagem da televisão britânica Sky News.

  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.