sicnot

Perfil

Mundo

Dilma diz que não dará a renúncia de presente aos adversários políticos

A Presidente brasileira com mandato suspenso, Dilma Rousseff, afirmou na madrugada de hoje, em entrevista transmitida pelo canal SBT, que não dará a renúncia de presente aos seus inimigos políticos no processo de 'impeachment' (destituição).

Questionada sobre a possibilidade de renunciar antes de ser julgada pelo Senado (câmara alta parlamentar), Dilma Rousseff frisou que não tinha a menor intenção de o fazer.

"Não dou esse presente a eles [adversários políticos]. Jamais vou jogar a toalha", disse.

A Presidente com mandato suspenso reafirmou que é vítima de um julgamento fraudulento e que houve uma campanha liderada por membros da oposição para motivar a sua destituição, cujo objetivo foi desconstruir a sua imagem e eleger um novo Governo de forma indireta.

Dilma Rousseff alegou que o atraso na transferência de verbas para os bancos públicos e a assinatura de decretos não numerados, os dois argumentos usados no processo de destituição, foram atos também praticados pelos seus antecessores Fernando Henrique Cardoso e de Luiz Inácio Lula da Silva, mas que somente agora são considerados crime.

"Ou é crime para todo mundo ou não é para ninguém", salientou.

Dilma Rousseff voltou igualmente a acusar o Presidente interino Michel Temer de traição, afirmando que ele "não foi eleito para fazer o que está fazendo".

"Foi eleito com o meu programa de Governo", frisou.

Relativamente aos escândalos de corrupção praticados no Brasil durante o seu Governo, negou qualquer envolvimento.

"Não tenho responsabilidade nenhuma se um funcionário da Petrobras resolveu ser corrupto", declarou.

Dilma Rousseff é acusada de ter cometido crime de responsabilidade ao praticar manobras fiscais com o objetivo de melhorar as contas públicas e assinar decretos a autorizar despesas que não estavam previstas no orçamento.

O seu julgamento terá início na próxima quinta-feira às 09:00 horas (13:00 em Lisboa) e não existe um prazo determinado para finalizar.

Se se confirmar o 'impeachment' de Dilma Rousseff, será o primeiro da história do Brasil em que o Presidente lutou até ao fim.

Em 1992, o 'impeachment' de Fernando Collor de Mello foi concluído apesar de, horas antes do julgamento final, ele ter renunciado ao cargo.

Lusa

  • A casa dos horrores
    7:57

    Mundo

    Um casal foi detido na Califórnia acusado de tortura e escravidão dos 13 filhos: o mais velho tinha 29 anos e a mais nova dois. A polícia encontrou um cenário de horror quando entrou na casa da família, depois de uma das filhas ter fugido pela janela. Crianças e jovens estavam amarrados às camas e todos estavam mal alimentados. Mas nas redes sociais, o casal Turpin divulgava imagens de uma família feliz.

  • PGR e presidente do Supremo deixam recado à ministra da Justiça
    2:45
  • Rui Rio tem sentido "alguma turbulência" no PSD
    2:01

    País

    Rui Rio e Pedro Passos Coelho tiveram esta quinta-feira a primeira reunião, desde que foi eleito o novo líder do PSD. À saída, Passos Coelho desejou que esta transição decorra com naturalidade. Já Rui Rio disse que tem sentido alguma turbulência no partido.

  • Sindicatos rejeitam fim das baixas médicas até três dias
    2:02

    País

    A CGTP quer levar o tema das baixas médicas à Concertação Social, já a UGT diz que há outras matérias prioritárias. Ainda assim as duas centrais sindicais lembram que a não justificação de faltas pode dar origem a um despedimento por justa causa. Esta quinta-feira o bastonário da Ordem dos Médicos propôs ao Governo que acabe com as baixas de curta duração, até três dias.

  • Papa interrompe percurso no Chile para ajudar polícia
    0:21
  • "Mundo à Vista" no Gana
    7:38