sicnot

Perfil

Mundo

Dilma diz que não dará a renúncia de presente aos adversários políticos

A Presidente brasileira com mandato suspenso, Dilma Rousseff, afirmou na madrugada de hoje, em entrevista transmitida pelo canal SBT, que não dará a renúncia de presente aos seus inimigos políticos no processo de 'impeachment' (destituição).

Questionada sobre a possibilidade de renunciar antes de ser julgada pelo Senado (câmara alta parlamentar), Dilma Rousseff frisou que não tinha a menor intenção de o fazer.

"Não dou esse presente a eles [adversários políticos]. Jamais vou jogar a toalha", disse.

A Presidente com mandato suspenso reafirmou que é vítima de um julgamento fraudulento e que houve uma campanha liderada por membros da oposição para motivar a sua destituição, cujo objetivo foi desconstruir a sua imagem e eleger um novo Governo de forma indireta.

Dilma Rousseff alegou que o atraso na transferência de verbas para os bancos públicos e a assinatura de decretos não numerados, os dois argumentos usados no processo de destituição, foram atos também praticados pelos seus antecessores Fernando Henrique Cardoso e de Luiz Inácio Lula da Silva, mas que somente agora são considerados crime.

"Ou é crime para todo mundo ou não é para ninguém", salientou.

Dilma Rousseff voltou igualmente a acusar o Presidente interino Michel Temer de traição, afirmando que ele "não foi eleito para fazer o que está fazendo".

"Foi eleito com o meu programa de Governo", frisou.

Relativamente aos escândalos de corrupção praticados no Brasil durante o seu Governo, negou qualquer envolvimento.

"Não tenho responsabilidade nenhuma se um funcionário da Petrobras resolveu ser corrupto", declarou.

Dilma Rousseff é acusada de ter cometido crime de responsabilidade ao praticar manobras fiscais com o objetivo de melhorar as contas públicas e assinar decretos a autorizar despesas que não estavam previstas no orçamento.

O seu julgamento terá início na próxima quinta-feira às 09:00 horas (13:00 em Lisboa) e não existe um prazo determinado para finalizar.

Se se confirmar o 'impeachment' de Dilma Rousseff, será o primeiro da história do Brasil em que o Presidente lutou até ao fim.

Em 1992, o 'impeachment' de Fernando Collor de Mello foi concluído apesar de, horas antes do julgamento final, ele ter renunciado ao cargo.

Lusa

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalaram-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.