sicnot

Perfil

Mundo

Morreram 1.396 civis em quatro meses na cidade de Alepo

O mais recente balanço do Observatório Sírio dos Direitos Humanos contabiliza 1.396 civis mortos e mais de oito mil feridos, em quatro meses de combates entre forças governamentais e rebeldes, na cidade de Alepo.

Entre os civis mortos estão 313 menores e 199 mulheres, segundo a organização não-governamental que tem contabilizado os mortos e feridos de um conflito que dura há mais de cinco anos.

Do total de vítimas mortais, 730 pessoas perderam a vida nas centenas de ataques levados a cabo por aviões de guerra e outras 89 em bombardeamentos com artilharia, atribuídos às forças governamentais, nos bairros da zona oriental da cidade de Alepo, controlados pelos grupos rebeldes armados.

Do outro lado, 538 pessoas morreram na sequência de balas, rockets e bombas de gás utilizados pelos combatentes armados da oposição síria, nas zonas ocidentais de Alepo, controladas pelas forças governamentais.

Outros 26 civis morreram em bombardeamentos desencadeados pelos rebeldes armados contra o bairro de Al -Sheij Maqsud, sob controlo da milícia curda, na mesma cidade.

Outros seis habitantes morreram em ataques registados nos arredores de Alepo, atribuídos à aliança curdo-árabe apoiada pelos Estados Unidos.

Por fim, três crianças e quatro adultos morreram na explosão de uma fábrica de preparação de foguetes no bairro de Al-Sukari, na zona leste de Alepo.

Os ataques e bombardeamentos causaram também danos em centenas de casas e edifícios, hospitais e outros serviços públicos, regista o observatório.

Há quatro dias, o enviado especial das Nações Unidas para a Síria, Staffan de Mistura, apelou às partes em conflito que cumpram uma pausa nos combates para permitir o acesso da ajuda humanitária a Alepo.

A oposição armada e a Rússia, aliada do regime sírio, concordaram com a trégua, mas a violência prossegue em Alepo, disputada desde meados de 2012, quando os rebeldes conquistaram amplas zonas da cidade, uma das mais castigadas pelo conflito iniciado em março de 2011.

Os confrontos na segunda cidade síria agudizaram-se em finais de julho, com a ofensiva lançada pela oposição armada para tentar romper o cerco imposto pelas forças governamentais nos bairros sob o seu controlo.

O conflito na Síria, desencadeado em 2011 após a repressão de manifestações pacíficas contra o regime de Bashar al-Assad, já fez mais de 290 mil mortos, obrigou à fuga de mais de metade da população do país e provocou uma grave crise humanitária.

Lusa

  • Marcar cedo e resistir (ou como Portugal venceu Marrocos)

    Mundial 2018 / Portugal

    A seleção nacional alcançou hoje a primeira vitória no Mundial 2018, frente a Marrocos, em Moscovo. Cristiano Ronaldo (outra vez) marcou logo aos quatro minutos. Depois, Portugal pouco mais fez senão aguentar as investidas dos marroquinos, que ficam desde já afastados dos oitavos de final.

  • Fernando Santos dá um puxão de orelhas à equipa
    1:57
  • E vão quatro de Ronaldo
    1:58
  • Ronaldo, o motivador
    3:23
  • Os "memes" do desempenho de Cristiano Ronaldo frente a Marrocos
    1:25
  • Cristiano Ronaldo: o melhor do jogo, o melhor do Mundial, o melhor do mundo

    Mundial 2018 / Portugal

    Apesar da prestação de Rui Patrício na defesa da baliza lusa, Cristiano Ronaldo foi eleito o homem do jogo, pela segunda vez consecutiva, depois de marcar o golo que deu a vitória a Portugal frente a Marrocos. O capitão português ofereceu à equipa os três pontos essenciais para a eventual passagem aos oitavos de final. Mas Ronaldo não fica por aqui. Contas feitas, CR7 é o melhor marcador do Mundial (4 golos em 2 jogos) e já marcou 85 golos por Portugal, feito nunca antes alcançado nem por Eusébio nem por Pauleta. No auge dos 33 anos, há quem diga que Ronaldo "é como o vinho do Porto". Será que ainda vai chegar à marca dos 100? Parece que, para o CR7, nada é impossível.

  • Parecia que Rui Patrício tinha cola nas luvas
    5:40
  • Os momentos descontraídos dos jogadores que estão no Mundial
    1:54
  • Selecionador de Marrocos queixa-se da arbitragem
    1:41
  • Georgina Rodriguez assistiu ao jogo de Portugal e acenou a Ronaldo
    1:05
  • Ronaldo no País dos Sovietes: O humor russo
    1:32
  • Schulz responde a Trump: "é um especialista em estatísticas criminais"

    Mundo

    "Donald Trump é um especialista em estatísticas criminais: pagamentos a estrelas porno, contactos ilegais com russos e diretores de campanha presos". Foi assim que o deputado alemão Martin Schulz respondeu ao Presidente norte-americano, depois de este ter afirmado várias vezes que a criminalidade na Alemanha aumentou devido à imigração.

    SIC

  • "Vou pedir a alguém que dê esta notícia por mim". Jornalista emociona-se com o caso dos bebés mexicanos separados das famílias
    0:49