sicnot

Perfil

Mundo

"Hoje não há democracia ou Estado de Direito na Venezuela"

Reuters

O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, denunciou na segunda-feira a corrupção e a violência na Venezuela, afirmando que a condenação de um líder da oposição marcou o fim da democracia no país.

Numa carta de oito páginas dirigida a Leopoldo Lopez, um dos principais opositores ao Presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, que foi condenado a condenado a 14 anos de prisão, Luis Almagro sublinhou o clima de "intimidação" contra a oposição política na Venezuela.

"Nenhum fórum regional ou sub-regional pode ignorar a realidade de que hoje não há democracia ou Estado de Direito na Venezuela", afirmou o secretário-geral da OEA, chamando Lopez de "amigo".

"O poder não pode ser usado (...) sob nenhuma circunstância para impedir a vontade soberana do povo de se exprimir", afirmou Luis Almagro.

O antigo ministro dos Negócios Estrangeiros do Uruguai disse ainda que os venezuelanos são "vítimas de bullying".

O governo venezuelano "procura manter o seu poder e nega ao povo o direito de tomar decisões através do voto através do recurso à violência contra aqueles que se manifestam ou têm outras opiniões", frisou Almagro.

"Uma linha foi cruzada, o que significa que é o fim da democracia", acrescentou o secretário-geral da OEA, organização que integra 35 países.

No passado dia 12, o tribunal de recurso da Venezuela manteve a condenação a 14 anos de prisão de Lopez, após um julgamento à porta fechada.

A sentença foi fortemente condenada pela União Europeia, pelas Nações Unidas e pelos Estados Unidos.

A Amnistia Internacional que considerou a decisão "uma nova mancha nos trágicos arquivos dos direitos humanos do país, falou mesmo numa "caça às bruxas".

O dirigente do partido Vontade Popular, de 45 anos, foi condenado, em 2015, em primeira instância, a 14 anos de prisão pelo seu alegado papel nas manifestações contra o Governo entre fevereiro e maio de 2014, que resultaram em 43 mortos, segundo os dados oficiais.

Lusa

  • Funcionários públicos anti-Maduro foram despedidos
    1:24

    Mundo

    Na Venezuela, em plena crise económica e com receios de que a contestação social volte a aumentar, cerca de 200 funcionários das finanças queixam-se de terem sido despedidos por motivos políticos. Os trabalhadores dizem que foram para a rua por terem assinado o pedido de referendo revogatório que pode pôr fim ao mandato do presidente venezuelano, Nícolas Maduro.

  • Nicolás Maduro só quer referendo revogatório em 2017
    2:13

    Mundo

    Nicolás Maduro admite submeter-se a um referendo revogatório do mandato mas só no próximo ano e se forem cumpridos os requisitos da lei. A oposição já reagiu para reafirmar que a consulta popular é para ser feita este ano apesar de muitas das assinaturas apresentadas não estarem a ser validadas. Nas ruas da Venezuela, a população continua a sofrer com a falta de alimentos.

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.