sicnot

Perfil

Mundo

Israel desmantela rede palestiniana de fábricas de armas na Cisjordânia

As forças de segurança israelitas desmantelaram esta terça-feira na Cisjordânia um comando palestiniano que fabricava e distribuía armas na região, e detiveram duas pessoas.

Numa missão conjunta do exército, polícia e agências de informações israelitas "foram descobertas sete fábricas, incluindo 22 máquinas de fabrico e dezenas de armas, nas zonas de Belém e Hebron", de acordo com um comunicado militar.

A mesma fonte indicou que, desde o início do ano, foram localizadas 29 fábricas de armas, apreendidas 49 máquinas, 300 armas de fogo e detidas 140 pessoas com ligações ao tráfico de armamento.

Em conferência de imprensa por telefone, um elemento dos serviços secretos israelitas, que pediu para não ser identificado, explicou que a operação decorreu num contexto de aumento do número de ataques de palestinianos contra israelitas.

"O mais importante que tentamos fazer é que um adolescente de 15 anos não possa ter acesso a armas para matar civis e que não sejam baratas", disse.

A mesma fonte garantiu que a campanha israelita contra o armamento ilegal não decorre em coordenação com o governo palestiniano.

"Têm as suas próprias operações, mas acreditamos que as nossas ações beneficiam também todos os palestinianos", referiu a mesma fonte.

Na quinta-feira, dois agentes das forças de segurança palestinianas foram mortos a tiro quando tentavam deter, em Nablus, alegados membros de uma rede de tráfico de armas.

A venda ilegal de armas e explosivos na Cisjordânia registou um aumento nos dois últimos anos, de acordo com fontes militares israelitas.

Este armamento, especialmente espingardas "M16", de conceção norte-americana e bazucas "Carl Gustav", de origem sueca, é usado em atentados terroristas contra Israel, mas também em crimes nos territórios palestinianos, acrescentaram.

Lusa

  • "O que mais tem havido nesta altura são respostas precipitadas"
    7:21

    Opinião

    Foi um "debate contigo" o de hoje, no Parlamento, sobretudo no frente-a-frente entre António Costa e Passos Coelho, na opinião de Bernardo Ferrão. O subdiretor de informação da SIC sublinha uma declaração "mortal" do primeiro-ministro, quando este disse que "ninguém quer respostas precipitadas". Por outro lado, a comissão técnica independente pedida pelo PSD pode virar-se contra o próprio partido.

    Bernardo Ferrão

  • Fuzileiros continuam no terreno a ajudar população
    3:03
  • Cozido ou empanadas chilenas para o jantar?
    5:20

    Taça das Confederações

    Portugal e Chile defrontam-se esta quarta-feira em jogo das meias-finais da Taça das Confederações. O jornalista Gonçalo Azevedo Ferreira fala sobre as previsões da imprensa chilena para o encontro, revela alguns dados sobre as presenças de Portugal e Chile em grandes competições e mostra, através das redes sociais, o lado mais descontraído da antevisão deste duelo.

  • Portugal vai pagar 3.500 milhões ao FMI até agosto
    1:18

    Economia

    Portugal vai pagar, até agosto, 3.500 milhões de euros ao Fundo Monetário Internacional. Mil milhões seguem já na sexta-feira. A antecipação do pagamento foi esta quarta-feira formalmente autorizada pelos parceiros e credores europeus.

  • Trump volta a criticar as chamadas "fake news"

    Mundo

    O Presidente norte-americano voltou a criticar aquilo a que chama de "fake news", em português "notícias falsas". Através da rede social twitter, Donald Trump diz que o jornal New York Times "nem sequer liga para verificar os factos e que, por isso, dá notícias falsas".

  • Família Obama de férias na Indonésia

    Mundo

    Das águas claras de Bali aos encantos dos templos de Java, o antigo Presidente norte-americano Barack Obama levou a esposa e as filhas de férias numa aventura de (re)descobertas por um país onde Obama viveu durante quatro anos da sua infância.

    SIC

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44
  • Desacatos no aeroporto de Faro deixam turistas britânicos em terra
    1:46

    País

    Cinco pessoas, que integravam o grupo de turistas britânicos que nos últimos dias causou desacatos em Albufeira, foram ontem impedidas de regressar a Inglaterra. Agressões no aeroporto e desacatos à entrada do avião levaram os comandantes de dois voos a recusar levar aqueles passageiros.