sicnot

Perfil

Mundo

Alemanha adota novo plano de defesa civil

O governo alemão aprovou esta quarta-feira um plano de defesa civil, que pede aos cidadãos para fazerem aprovisionamentos de água e alimentos, permitindo uma resposta em caso de atentados ou catástrofes naturais.

Trata-se de "estar pronto para cenários de catástrofe", "como em todos os países do mundo", explicou à imprensa o ministro do Interior alemão, Thomas de Maizière, acrescentando que a elaboração destas medidas começou em 2012.

O último plano de defesa civil datava de 1995, um período marcado pela moderação das políticas de segurança, na sequência do fim da Guerra-Fria, indicou o governo em comunicado difundido ao princípio da tarde.

A atualização daquele plano "estava prevista há muito e não está relacionada com uma situação de perigo, nem com as atuais ameaças terroristas", assegurou Ulrike Demmer, porta-voz da chanceler Angela Merkel, durante um encontro habitual com a imprensa.

O plano contém uma série de medidas para garantir o funcionamento do Estado em caso de crise, e o fornecimento de água, eletricidade, alimentos e cuidados médicos à população.

"Um ataque em território alemão que exija (o recurso a) uma defesa convencional é pouco provável", sublinha o documento do ministério do Interior.

Entre as recomendações feitas à população, contam-se a necessidade de reservas de água, de "dois litros por pessoa e por dia, por um período de cinco dias". Os cidadãos devem abastecer-se de alimentos suficientes para dez dias.

Prevê também planos de emergência em caso de interrupção do fornecimento de água ou eletricidade, uma série de medidas de segurança em caso de crise de natureza química, atómica ou biológica, ou ainda em caso de ataques cibernéticos.

A oposição criticou esta iniciativa do governo, com os Verdes a acusarem o plano de se alimentar dos medos da população, agravados na sequência de dois atentados, em julho, reivindicados pelo grupo extremista Estado Islâmico (EI), e por um ataque que causou nove mortos em Munique (sul).

O jornal Bild brincou com a situação e publicou uma lista com artigos indispensáveis para armazenar, como alperces secos e latas de salsichas.

Esta tarde, De Maizière apresenta o plano em pormenor.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combnate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.