sicnot

Perfil

Mundo

Pentágono condena "provocações" de navios iranianos no Golfo Pérsico

O Pentágono condenou as "provocações" de navios iranianos no Golfo Pérsico contra barcos de guerra norte-americanos, que realizaram vários disparos de advertência.

Segundo o porta-voz do Pentágono, Peter Cook, os disparos realizaram-se "porque era a única via para evitar uma escalada da situação".

Peter Cook condenou o comportamento dos navios iranianos por ser "pouco profissional e inseguro" e colocar ambos os países em risco de uma escalada militar e um confronto.

Na quarta-feira, quatro navios militares iranianos aproximaram-se de um contratorpedeiro dos Estados Unidos com as armas a descoberto no Estreito de Ormuz.

Hoje, uma lancha rápida da Guarda Revolucionária Iraniana aproximou-se a menos de 200 metros de um navio de patrulha da Marinha dos Estados Unidos, que realizou três disparos e fez soar as sirenes de alarme, depois de tentar comunicar com os navios iranianos.

Segundo Peter Cook, nos últimos dias ocorreram pelo menos três daqueles incidentes e os navios norte-americanos estavam em operação, como sempre o fizeram, nas águas do Golfo Pérsico, onde estão localizadas importantes rotas para o comércio e tráfego marítimo internacional.

"Não sabemos quais eram as intenções dos iranianos, mas aquelas ações são inaceitáveis" e "elevam desnecessariamente a tensão" entre os dois países, disse a porta-voz do Departamento de Estado, Elizabeth Trudeau.

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.