sicnot

Perfil

Mundo

Três mineiros formalmente acusados da morte de vice-ministro da Bolívia

Três mineiros, entre os quais o líder da Federação Nacional de Cooperativas Mineiras (Fencomin), foram formalmente acusados da morte, na quinta-feira, do vice-ministro boliviano, Rodolfo Illanes, foi este sábado anunciado.

De acordo com o Ministério Público boliviano, os três mineiros são acusados dos crimes de assassinato, roubo agravado, posse de explosivos, organização criminal e atentado contra elementos de organismos de segurança do Estado.

Embora todos estejam acusados pelos mesmos crimes, a Carlos Mamani, líder da Fencomin, é imputada a autoria da morte do político, enquanto os outros dois mineiros são apresentados como cúmplices.

Rodolfo Illanes, 56 anos, vice-ministro da Bolívia, foi espancado até à morte por mineiros que o tinham sequestrado em protesto na localidade de Panduro, a 180 quilómetros da capital, La Paz.

Os mineiros bolivianos estavam em protesto, que degenerou em violência com o bloqueio de estradas, exigindo mais concessões de minas, o direito a trabalhar para empresas privadas e maior representação sindical.

Na altura, o vice-ministro terá pedido para ir a Panduro para abrir uma janela de diálogo com os manifestantes, acabando sequestrado pelos mineiros.

O presidente boliviano, Evo Morales, considerou o assassínio "imperdoável" e decretou três dias de luto nacional.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.