sicnot

Perfil

Mundo

Três mineiros formalmente acusados da morte de vice-ministro da Bolívia

Três mineiros, entre os quais o líder da Federação Nacional de Cooperativas Mineiras (Fencomin), foram formalmente acusados da morte, na quinta-feira, do vice-ministro boliviano, Rodolfo Illanes, foi este sábado anunciado.

De acordo com o Ministério Público boliviano, os três mineiros são acusados dos crimes de assassinato, roubo agravado, posse de explosivos, organização criminal e atentado contra elementos de organismos de segurança do Estado.

Embora todos estejam acusados pelos mesmos crimes, a Carlos Mamani, líder da Fencomin, é imputada a autoria da morte do político, enquanto os outros dois mineiros são apresentados como cúmplices.

Rodolfo Illanes, 56 anos, vice-ministro da Bolívia, foi espancado até à morte por mineiros que o tinham sequestrado em protesto na localidade de Panduro, a 180 quilómetros da capital, La Paz.

Os mineiros bolivianos estavam em protesto, que degenerou em violência com o bloqueio de estradas, exigindo mais concessões de minas, o direito a trabalhar para empresas privadas e maior representação sindical.

Na altura, o vice-ministro terá pedido para ir a Panduro para abrir uma janela de diálogo com os manifestantes, acabando sequestrado pelos mineiros.

O presidente boliviano, Evo Morales, considerou o assassínio "imperdoável" e decretou três dias de luto nacional.

Lusa

  • Famílias das vítimas de Pedrógão criam associação para apurar responsabilidades
    2:13
  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15