sicnot

Perfil

Mundo

Ministro da Economia de França demitiu-se

© Benoit Tessier / Reuters

O ministro da Economia de França, Emmanuel Macron, apresentou esta terça-feira a demissão, reforçando a especulação de que pretende candidatar-se às presidenciais de 2017.

A demissão de Macron, 38 anos, foi confirmada pela Presidência, que anunciou a nomeação para a pasta de Michel Sapin, que passa a acumular a Economia com as Finanças.

O antigo banqueiro de investimentos demitiu-se "para se dedicar inteiramente ao seu movimento político", informou a Presidência, referindo-se ao movimento "En Marche", que Macron fundou em abril.

A tensão entre o jovem ministro e os restantes membros do governo acentuou-se em julho, quando num comício do seu movimento, Macron afirmou que França é um país "farto de promessas incumpridas", pelo que foi criticado pelo primeiro-ministro, Manuel Valls.

O nome de Macron aparece destacado em sondagens recentes sobre eventuais aspirantes às presidenciais francesas, que se realizam a 23 de abril e a 07 de maio de 2017.

À direita, o ex-Presidente Nicolas Sarkozy, 61 anos, e o ex-primeiro-ministro Alain Juppé, 71, apresentaram-se já como candidatos.

Marine Le Pen, 48, líder da Frente Nacional, também se candidata.

Já o atual chefe de Estado, François Hollande, cuja taxa de popularidade é a mais baixa alguma vez registada por um Presidente francês desde o fim da II Guerra Mundial, afirmou recentemente que não se recandidata se não conseguir controlar o desemprego, atualmente nos 10%.

Lusa

  • Negócios do fogo
    22:00
  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.

  • "De repente ele estava em cima de mim a beijar-me e a apalpar-me"
    2:43