sicnot

Perfil

Mundo

EUA dizem que reivindicação russa da morte de jihadista "é uma piada"

​Responsáveis da Defesa dos EUA afirmaram que a reivindicação pela Rússia da morte do porta-voz do Daesh, Abu Mohamed al-Adnani, "é uma piada" e que o ataque foi feito com um drone predator.

O Ministério da Defesa russo anunciou que um avião militar Su-34 matou "até 40" combatentes do Daesh, incluindo al-Adnani, num ataque perto da aldeia de Um Hosh, na província de Alepo, na terça-feira.

"Isso é uma piada", disse um responsável da Defesa dos Estados Unidos à agência France-Presse sob condição de anonimato.

"Teria graça não fosse a natureza da campanha que os russos lançaram na Síria", acrescentou.

Os Estados Unidos anunciaram que al-Adnani, por cuja captura havia uma recompensa de 5 milhões de dólares (4,48 milhões de euros), foi alvo de um ataque da coligação anti-jihadista na província de Alepo na terça-feira.

O Pentágono é normalmente cauteloso na confirmação da morte dos alvos de ataques, devido a vários episódios em que pessoas cuja morte foi anunciada surgiram vivas mais tarde.

Outro responsável norte-americano, citado pela agência também sob condição de anonimato, informou que o ataque foi perpetrado por um drone que lançou um míssil Hellfire contra um automóvel em que, supostamente, seguia al-Adnani.

O ataque, ordenado pelo Departamento de Defesa, foi conduzido com o apoio de forças especiais norte-americanas e da Agência Central de Informações (CIA), segundo este responsável.

A morte de al-Adnani foi anunciada na terça-feira pelo Estado Islãmico.

Lusa

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.

  • Trump acusa o procurador-geral dos EUA de ser fraco
    1:46