sicnot

Perfil

Mundo

A cronologia da crise política na Venezuela

© Carlos Garcia Rawlins / Reute

A crise política na Venezuela tem vindo a aprofundar-se com a oposição a insistir na realização de um referendo para revogar o mandato do Presidente do país, Nicolás Maduro, levando esta quinta-feira milhares a protestarem na rua.

Seguem os principais eventos desta crise ao longo dos últimos meses no país que é o maior produtor de petróleo da América do Sul:

2016:

5 de janeiro - A oposição assumiu o controlo da Assembleia Nacional pela primeira vez em 16 anos. Prometeu retirar Nicolás Maduro do cargo e resgatar a Venezuela do caos económico, impulsionado pela queda do preço do petróleo.

15 de janeiro - Nicolás Maduro decretou o estado de "emergência económica" durante 60 dias. A medida permitiu ao Governo confiscar ativos de empresas privadas para obter alimentos e bens essenciais.

18 de fevereiro - O Presidente da Venezuela aumentou o preço da gasolina de 0,01 para 0,60 cêntimos de dólar por litro, desvalorizou o bolívar e aumentou o salário mínimo.

1 de março - O supremo tribunal aprovou uma lei para limitar os poderes da Assembleia Nacional, retirando-lhe a supervisão das autoridades judiciais, eleitorais e civis.

8 de março - A oposição apresentou uma proposta para a realização de um referendo revogatório. Caso seja realizado a 10 de janeiro e Nicolás Maduro saia perdedor, novas eleições são realizadas. Se o referendo for feito depois de 10 de janeiro, o chefe de Estado pode passar o poder ao vice-presidente.

26 de abril - Nicolás Maduro diminuiu a semana de trabalho para dois dias.

3 de maio - A oposição apresentou 1,85 milhões de assinaturas a pedir a realização de um referendo com um número dez vezes superior ao necessário para seguir para a próxima etapa.

14 de maio - Nicolás Maduro declarou estado de emergência durante três meses para fazer face a "ameaças externas".

4 de junho - A polícia deteve centenas de pessoas por surtos e pilhagens na cidade de Cumaná.

13 de junho - Aliados de Maduro pediram ao Supremo Tribunal para bloquear a iniciativa de referendo, alegando fraude na recolha de assinaturas.

13 de julho - O Presidente da Venezuela entregou o controlo dos principais portos do país aos militares.

1 de agosto - O Conselho Nacional de Eleições confirmou que são necessárias 200.000 assinaturas para prosseguir com o pedido de referendo, mas não estabelece uma data para a petição necessária para convocar o referendo.

2 de agosto - O Conselho Nacional de Eleições fixou o final de outubro como data para entrega da petição para marcar referendo, tornando quase impossível a realização da consulta antes de 10 de janeiro.

12 de agosto - Um tribunal confirmou a sentença de 14 anos de prisão do líder da oposição, Leopoldo Lopez, apesar dos apelos.

1 de setembro - Centenas de milhares de pessoas manifestaram-se em Caracas exigindo a rápida realização de um referendo. Os apoiantes de Nicolás Maduro realizaram uma contramanifestação.

A oposição da Venezuela apela para a realização de uma nova manifestação a 7 de setembro.

Lusa

  • Venezuelanos exigem referendo revogatório do mandato de Nicolás Maduro
    0:25

    Mundo

    Opositores do presidente Venezuelano vieram esta quinta-feira para as ruas exigir um calendário para o referendo revogatório do mandato de Nicolás Maduro. Milhares de pessoas encheram as ruas da capital, Caracas, e manifestaram desagrado com o rumo do país e com a crise económica que está instalada. Queixam-se das condições de vida, do desemprego, da insegurança e da falta de alimentos. O presidente Nicolas Maduro fala numa tentativa de golpe de Estado apoiada pelos Estados Unidos e, nos últimos dias, foram detidos vários opositores. O protesto é intitulado "Tomada de Caracas".

  • Chamas no concelho de Torre de Moncorvo ameaçaram aldeia
    1:30

    País

    Dois incêndios no concelho de Torre de Moncorvo deram luta aos bombeiros na tarde de ontem e também durante toda a noite. As chamas estiveram muito próximas da aldeia de Cabanas de Cima, mas os bombeiros conseguiram desviar o fogo.

  • Se

    Se Jaime Marta Soares tiver razão, se a ciência e as autoridades não forem - outra vez? - manipuladas pelo poder político, se a investigação - independente - concluir que o fogo começou muito antes da trovoada, então, estamos diante de um dos maiores embustes do Portugal democrático.

    Pedro Cruz

  • A reconstrução da Nacional 236
    1:44
  • Harry admite que ninguém na família real britânica quer ser rei ou rainha

    Mundo

    O príncipe Harry admitiu que nenhum dos mais jovens membros da família real britânica quer ser rei ou rainha. Numa entrevista exclusiva à revista norte-americana Newsweek, na qual aborda temas como a morte da mãe, que perdeu com apenas 12 anos, Harry afirma que ele e o irmão estão empenhados em "modernizar a monarquia".

    SIC