sicnot

Perfil

Mundo

Olho do furacão Hermine toca em terra na Florida

O olho do furacão Hermine tocou hoje a terra na Florida, estado norte-americano ameaçado com inundações, deslizamentos de terras, tempestades e até tornados, informa o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (CNH, na sigla inglesa).

O Hermine, de categoria 1 e que, segundo as autoridades, representa "perigo mortal", tocou terra na localidade de St. Marks (norte de Florida) minutos antes das 02:00 (07:00 em Lisboa), com ventos máximos de 130 quilómetros por hora.

Este é o primeiro furacão a tocar terra na Florida desde o Wilma em 2005.

De acordo como CNH, nas próximas horas o Hermine vai continuar a sua rota na direção nordeste pela Florida, entrando depois no estado de Georgia e, à noite, na Carolina do Sul, enquanto no sábado de manhã se espera que esteja na Carolina do Norte.

O CNH prevê que o furacão vá perdendo força há medida que avança, até se converter numa tempestade tropical.

Nos seus últimos boletins, o CNH estendeu os seus alertas a grande parte da costa Este dos Estados Unidos, incluindo pontos tão a norte como os estados de Nova Jersey, Virgínia e Delaware.

O governador da Florida, Rick Scott, assegurou na quinta-feira que o Hermine representa um "perigo mortal" para os habitantes do norte do estado, recordando que se devem preparar, comprando água para três dias, e estar conscientes que o abastecimento elétrico pode falhar.

Em Tallahassee, muito perto de St. Marks, por exemplo, 32 mil famílias ficaram sem luz.

Lusa

  • Hermine transforma-se em furacão de categoria 1

    Mundo

    A tempestade tropical Hermine, que avança desde o golfo do México para a costa nordeste da Flórida, nos Estados Unidos, transformou-se esta quinta-feira num furacão de categoria 1, informou o Centro Nacional de Furacões norte-americano.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.