sicnot

Perfil

Mundo

Felipe VI apela ao diálogo mas não inicia ronda de consultas

reuters

O rei Felipe VI fez hoje um apelo ao "diálogo, concertação e compromisso" dos partidos políticos espanhóis, mas não irá iniciar, por enquanto, novas consultas com eles depois do fracasso da investidura de Mariano Rajoy, na sexta-feira passada.

"Sua Majestade comunicou-me a sua decisão de não iniciar, por enquanto, novas consultas" com as forças políticas espanholas, revelou a presidente do Congresso dos Deputados (parlamento) depois de uma reunião que teve com Felipe VI para lhe comunicar o resultado da investidura derrotada de Mariano Rajoy.

Segundo Ana Pastor, o rei pretende dar tempo para que "as formações políticas possam levar a cabo as ações que considerem convenientes" para desbloquear o atual impasse político.

Por seu lado, o secretário-geral do PSOE, Pedro Sánchez, anunciou hoje que vai abrir uma ronda de contactos com todos os partidos espanhóis para tentar encontrar uma solução para desbloquear o impasse atual, mas precisou que não pretende liderar uma alternativa.

O líder do PP (direita), Mariano Rajoy, fracassou na sexta-feira a segunda votação de investidura no parlamento, tendo 180 deputados votado contra e 170 a favor, o mesmo número da votação de dois dias antes.

O atual chefe do Governo em funções e líder do Partido Popular (PP, direita) teve o apoio de 137 deputados do PP, 32 do partido de centro-direita Ciudadanos e um do partido regional Coligação Canária.

O resto da assembleia votou contra, entre eles os 85 do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) e os 71 da coligação da esquerda radical Unidos Podemos.

O resultado que já era esperado confirma o período de grande incerteza política em que Espanha vive e que se não for desfeito até 31 de outubro próximo irá significar a dissolução do parlamento e a convocação de novas eleições 54 dias depois, provavelmente para 25 de dezembro.

Se isso acontecer, serão as terceiras eleições legislativas que se realizam no espaço de um ano, depois de na primeira consulta, em 20 de dezembro de 2015, e na segunda, em 26 de junho deste ano, as quatro principais forças políticas espanholas (PP, PSOE, Unidos Podemos e Ciudadanos) não terem conseguido chegar a um acordo para formar um Governo estável em Espanha.

Nas eleições de 26 de junho, o PP foi o partido mais votado (33 por cento dos votos e 137 deputados), seguido pelo PSOE (22,7% e 85), Unidos Podemos (21,1% e 71) e Ciudadanos (13,0% e 32).

  • Espanha continua num impasse político
    1:24

    Eleições em Espanha

    O chefe de Governo espanhol e líder do PP segue para a votação do processo de investidura com uma derrota quase certa. O encontro de ontem entre Mariano Rajoy e Pedro Sánchez, do Partido Socalista espanhol, deixou claro que o impasse político em Espanha ainda não tem um fim à vista.

  • Carlos César admite diálogo "mais fácil" com PSD de Rio
    1:36

    País

    O presidente e líder parlamentar do PSD diz que o partido não precisa de novos aliados, mas acredita que vai ser mais fácil dialogar com o PSD liderado por Rui Rio, Carlos César visitou esta segunda-feira as regiões afetadas pelos incêndios do ano passado, no primeiro dia das jornadas parlamentares dos socialistas.

  • Benfica é o único clube português na lista dos mais ricos
    1:34
  • Papa pede perdão a vítimas de abusos por ter usado expressão "menos feliz"
    1:21

    Mundo

    No final da visita à América Latina, já no avião de regresso a Roma, o Papa Francisco pediu desculpa às vítimas de abusos sexuais no Chile. O líder da Igreja católica considerou que utilzou uma expressão menos "feliz" quando saiu em defesa do bispo Juan Barros, exigindo "provas" a quem o acusa de não ter agido.

  • Os três pontos de Ronaldo
    1:16
  • Decifrado pergaminho encontrado há 50 anos

    Mundo

    Investigadores israelitas reconstituíram e decifraram um dos dois manuscritos de pergaminhos do Mar Morto que nunca tinham sido interpretados desde que foram descobertos há meio século, anunciou a universidade israelita de Haifa.

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC