sicnot

Perfil

Mundo

Obama e Putin insistem nas negociações sobre cessar-fogo na Síria

© Reuter

Os presidentes dos Estados Unidos e da Rússia insistiram hoje para que as suas delegações continuem a negociar um cessar-fogo na Síria visando aumentar o envio de ajuda humanitária, num encontro à margem da cimeira do G20.

Barack Obama e Vladimir Putin "esclareceram questões pendentes" e pediram ao secretário de Estado norte-americano, John Kerry, e ao seu homólogo russo, Sergei Lavrov, para que continuem as negociações, indicaram fontes da Casa Branca.

Esta segunda-feira, antes do encontro dos chefes de Estado, Kerry e Lavrov reuniram-se para discutir a redução dos combates na Síria, mas não chegaram a acordo. Esperava-se que os dois países acordassem disponibilizar ajuda humanitária aos civis de Alepo e suspender, pelo menos em parte, os bombardeamentos russos e sírios.

Os chefes da diplomacia dos dois países devem reunir-se nos próximos dias "seguramente esta semana", disseram as mesmas fontes, classificando de "construtivas" as discussões entre Obama e Putin, que estiveram reunidos cerca de uma hora e meia.

As delegações norte-americana e russa discutem a questão há semanas.

Segundo a agência noticiosa espanhola EFE, não há entendimento em relação à questão dos rebeldes apoiados pela coligação anti-jihadista, conduzida pelos Estados Unidos, serem da oposição moderada ou incluírem jihadistas da Frente al-Nosra.

De acordo com a agência France Presse, as negociações sobre o conflito terão sido afetadas por desenvolvimentos no terreno.

Tropas do Governo sírio, que é apoiado pela Rússia, ocupam a zona ocidental da cidade de Alepo, enquanto os bairros da zona oriental são controlados pelos grupos rebeldes.

O conflito na Síria já matou cerca de 300 mil pessoas em cinco anos, tendo obrigado milhões a abandonarem as suas casas.

Lusa

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.

  • Trump acusa o procurador-geral dos EUA de ser fraco
    1:46