sicnot

Perfil

Mundo

Mortalidade por cancro nos ovários cai significativamente devido ao uso da pílula

© Reuters

A mortalidade por cancro nos ovários caiu significativamente no mundo ocidental entre 2002 e 2012 e deverá continuar a cair, segundo um estudo hoje publicado, em que se atribui a queda ao uso generalizado da pílula anticoncecional.

As mortes diminuíram 16% nos EUA, 10% nos 28 países da União Europeia excluindo o Chipre, para o qual não há dados, e 8% no Canadá.

No Japão, onde a taxa de cancro nos ovários é mais baixa do que em muitos outros países, a taxa de mortalidade caiu 2%, acrescenta o estudo publicado na revista Annals of Oncology.

Na Austrália e na Nova Zelândia, as mortes diminuíram 12% entre 2002 e 2011, o ano mais recente para o qual há dados.

"A razão principal desta tendência favorável é o uso de contracetivos orais", escrevem os autores.

A redução das taxas de mortalidade associada ao cancro dos ovários é mais visível nas mulheres jovens e de meia-idade do que nas mulheres mais velhas e mais significativa nos EUA, Reino Unido e Europa do Norte, indica o estudo.

"Estes são os países onde os contracetivos orais, que têm um efeito protetor de longo prazo no risco de cancro dos ovários, foram introduzidos mais cedo e usados mais frequentemente."

Uma redução no uso de terapias de substituição hormonal para mitigar os sintomas da menopausa, assim como uma melhoria do diagnóstico e do tratamento do cancro, também poderão ter contribuído.

Pensa-se que as terapias de substituição hormonal, que usam estrogénio e progesterona para aliviar sintomas como afrontamentos, secura vaginal e baixo desejo sexual, aumentam o risco de cancro dos ovários em até 40%, segundo um estudo de 2015.

Já a pílula, pelo contrário, é comummente aceite que protege contra esta doença, considerada um "assassino silencioso" porque frequentemente só é detetada demasiado tarde.

Outras investigações ligaram os contracetivos orais a um risco acrescido de cancro da mama, assim como de ataque cardíaco e acidente vascular-cerebral.

O estudo agora apresentado, que não tem números sobre África, revela que a tendência de queda das mortes por cancro dos ovários é inconsistente entre países.

Entre os países europeus, a quebra varia entre 0,6% na Hungria e mais de 28% na Estónia, havendo mesmo um aumento na Bulgária.

Na América Latina, o número de mortes diminuiu na Argentina, no Chile e no Uruguai, mas aumentou no Brasil, na Colômbia, em Cuba, no México e na Venezuela.

Com base em dados da Organização Mundial de Saúde, os cientistas estimam que as mortes por cancro dos ovários caiam mais 15% nos EUA até 2020, e até 10% na UE e no Japão.

Lusa

  • Há companhias aéreas a contratar. TAP é uma delas
    1:28
  • Euforia e preocupação no Santiago de Bernabéu
    3:02
  • "Sonho com um futuro melhor", o desejo de um jovem sírio em Portugal
    2:12

    País

    Mais de 50 jovens sírios chegaram esta madrugada a Lisboa, para iniciarem o novo ano letivo, em Portugal. Sonham com um futuro melhor. Sonham com uma educação melhor. Os 54 estudantes vieram ao abrigo do programa lançado pelo antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, que nos últimos anos já deu uma nova oportunidade a cerca de 200 alunos.

  • Na linha do triunfo
    16:49