sicnot

Perfil

Mundo

Poluição atmosférica pode também causar danos a nível cerebral?

© Yves Herman / Reuters

A descoberta no cérebro humano de minúsculas partículas provenientes do ar poluído está a preocupar a comunidade científica. Algumas investigações estabelecem uma ligação entre partículas metálicas e a doença de Alzheimer e defendem que a poluição atmosférica aumenta a incidência da doença.

Um novo estudo revela que foi detetada em quantidade "abundante" a presença de nanopartículas no cérebro humano. Esta pesquisa das Universidades de Lancaster, Oxford e Manchester, no Reino Unido, incidiu sobre 37 indivíduos ingleses e mexicanos, entre os 3 e os 92 anos.

"Agora temos um motivo para ir mais além e realizar testes epidemiológicos e de toxicidade, afinal esta partículas são muito frequentes e as pessoas estão muito expostas a elas", afirmou Barbara Mahler, responsável pela investigação, ao jornal britânico The Guardian.

A poluição atmosférica é um problema de saúde global que mata mais pessoas que a malária e a Sida. Durante muitos anos foi associado a doenças respiratórias e cardíacas, estudo recentes vieram contudo admitir a possibilidade de estar também na origem de doenças degenerativas do cérebro, como o Alzheimer’s e outros patologias mentais.

O estudo publicado pela Academia Nacional de Ciências britânica, encontrou em abundância partículas de magnetite, mineral magnético formado pelos óxidos de ferro.

"Estamos a falar de milhões de partículas magnéticas por casa grama de amostra cerebral analisada, é extraordinário!", realçou Barbara Mahler.

Outros cientistas contactados pelo The Guardian consideraram que este novo estudo mostra com clara evidência que a maioria das partículas magnéticas encontradas nas amostras cerebrais analisadas são provenientes do ar poluído. Quanto à sua ligação com a doença de Alzheimer, muitos consideram-na ainda especulativa.

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

    Última Hora

  • Revestimento da Torre de Grenfell era tóxico e inflamável
    1:52
  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.