sicnot

Perfil

Mundo

Guterres e Clark no Egito para pedir apoio a respetivas candidaturas à ONU

O ex-primeiro-ministro português António Guterres e a ex-primeira-ministra neozelandesa Helen Clark deslocaram-se esta quarta-feira ao Egito para pedir o apoio do país às respetivas candidaturas para Secretário-Geral da ONU, indicou o ministério dos Negócios Estrangeiros egípcio.

O chefe da diplomacia egípcia, Sameh Shukri, reuniu-se no Cairo com os dois candidatos ao cargo, que tentam obter o voto do Egito, atualmente membro não permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Shukri recebeu hoje às 12:00 locais Guterres, que se confirmou como favorito após três votações no Conselho de Segurança, e este destacou "a importância do Egito" tanto naquele órgão como na Assembleia-Geral da ONU, segundo um comunicado do MNE.

Depois, o ministro egípcio recebeu Clark, uma das cinco mulheres na corrida ao cargo, que também salientou "a importância do apoio do Egito, pela sua influência e peso dentro da ONU", lê-se na nota.

O Conselho de Segurança da ONU tem o poder de propor à Assembleia-Geral das Nações Unidas o novo secretário-geral da organização, e que, em última instância, deverá aprovar a escolha.

Guterres e Clark aspiram a suceder ao sul-coreano Ban Ki-moon, secretário-geral da ONU desde janeiro de 2007 e cujo segundo mandato acaba no final deste ano.

Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.