sicnot

Perfil

Mundo

Japão pede à UE para partilhar dados pessoais dos seus passageiros aéreos

O Japão anunciou hoje que pediu à União Europeia (UE) para partilhar dados pessoais dos seus passageiros aéreos para reforçar a sua estratégia de segurança antiterrorista para os Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020.

Tóquio pretende ter acesso à informação dos viajantes europeus que entrem em território japonês, algo que o bloco dos 28 não prevê por agora devido à sua estrita política de proteção de privacidade.

Em troca, o Japão partilhará também a UE os dados relativos aos japoneses que viajem para qualquer país do bloco, o que permitiria a ambas as partes contrapor esta informação com as "listas negras" elaboradas pelos serviços de inteligência relativas a pessoas suspeitas de terem ligações com organizações terroristas.

As autoridades nacionais e as transportadoras aéreas contam com informação pessoal dos passageiros que incluem os seus nomes, números de passaporte e de documentos de identidade nacionais e dados bancários, entre outros.

Estes dados são comparados com os incluídos nas "listas negras" nos controlos de imigração para evitar a entrada de indivíduos suspeitos.

A União Europeia proíbe, na prática, qualquer tipo de transferência de dados pessoais que companhias aéreas e outras empresas têm, e apenas permite o acesso aos dados pessoais dos seus viajantes aos países que partilham os seus critérios de proteção de privada.

O objetivo do Japão passa por selar um acordo com os 28 para poder contar com dados tanto das transportadoras aéreas europeias como de autoridades nacionais, explicou um membro do governo japonês à agência Kyodo.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.