sicnot

Perfil

Mundo

Jornalista húngara que agrediu refugiados formalmente acusada de vandalismo

© Reuters

A jornalista húngara que pontapeou e rasteirou vários refugiados, entre eles crianças, na fronteira com a Sérvia foi agora acusada de vandalismo, pela justiça húngara, devido ao comportamento. O caso aconteceu há cerca de um ano.

Caso seja condenada, Petra László poderá ter de cumprir uma pena de prisão até cinco anos.

"O comportamento violento da acusada, que não causou ferimentos, provocou consternação nas pessoas que estavam presentes", considerou a Procuradoria da província húngara de Csongrád. Apesar de dar como provado que a jornalista pontapeou e rasteirou vários refugiados que fugiam da polícia ao entrar na Hungria a partir da Sérvia, a acusação indica que não se pode demonstrar que a sua atitude agressiva foi motivada "pela origem das vítimas ou pelo facto de estas serem imigrantes".

Petra László trabalhava para a televisão N1, próxima ao partido de extrema-direita Jobbik. Foi despedida na sequência do incidente e, entretanto, pediu desculpa pelos seus atos.

Um mês depois da agressão, a jornalista declarou ao diário russo Izvestia que não conseguia encontrar trabalho e que estava a pensar em imigrar para a Rússia, algo que acabou por não fazer.

O caso aconteceu antes de a Hungria ter fechado a fronteira com a Sérvia, numa altura em que entravam no país milhares de imigrantes por dia.

Os refugiados sírios rasteirados Osama Abdul Mohsen e o seu filho Zaid instalaram-se em Espanha, na cidade de Getafe (próxima de Madrid). Osama Abdul Mohsen foi contratado pela Escola Nacional de Treinadores de Futebol.

Lusa

  • Marinha e Exército dão luz verde ao Aeroporto do Montijo

    País

    De acordo com a edição deste domingo do Diário de Notícias, o Exército e a Marinha já comunicaram à Força Aérea disponibilidade para desocupar parcialmente a base aérea e o Montijo se transformar num num aeroporto complementar ao de Lisboa.

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.