sicnot

Perfil

Mundo

ONU condena novo ensaio com mísseis da Coreia do Norte

O Conselho de Segurança das Nações Unidas condenou esta terça-feira o novo ensaio com mísseis realizado pela Coreia do Norte, enquanto vários membros defenderam a necessidade de estudar novas medidas contra o regime de Pyongyang.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, considerou que os lançamentos de três mísseis balísticos, esta segunda-feira, no Mar do Japão são "claras violações" das resoluções do Conselho.

"Reiteramos um apelo unido da comunidade internacional à República Popular da Coreia do Norte a parar com as provocações e regressar ao caminho da desnuclearização", assinalou Ban Ki-moon, através do seu porta-voz, Stéphane Dujarric.

Entretanto, os 15 países do Conselho de Segurança analisaram a última ação norte-coreana numa reunião de urgência, à porta fechada.

Os impulsionadores do encontro - Estados Unidos, Japão e Coreia do Sul - reiteraram no final da reunião a sua condenação deste novo ensaio com mísseis balísticos, e defenderam que sejam estudadas novas medidas em resposta a estas "provocações".

"O Conselho de Segurança deve manter-se inequívoco e unido na sua condenação a estes testes e devemos atuar para fazer cumprir as nossas resoluções", disse aos jornalistas a embaixadora norte-americana, Samantha Power, que referiu que os Estados Unidos estão dispostos a "aumentar as consequências".

Power acrescentou que dentro do Conselho de Segurança se ouviram hoje "claras e numerosas vozes" a favor de "fazer mais" perante os desafios norte-coreanos.

O embaixador da Coreia do Sul, Oh Joon, considerou que o Conselho deve enviar uma mensagem clara às autoridades de Pyongyang, advertindo que "se continuarem a provocar e a violar as obrigações e sanções internacionais, serão encontradas medidas muito mais fortes e significativas" da comunidade internacional.

O Conselho de Segurança já impôs este ano duras sanções ao país liderado por Kim Jong-Un devido aos testes nucleares e aos mísseis de longo alcance.

O embaixador do Japão na ONU, Koro Bessho, recordou hoje que os mísseis norte-coreanos não são só uma ameaça para o seu país, mas para toda a região e além dela.

O lançamento desta segunda-feira foi o primeiro dos projeteis balísticos de Pyongyang, depois de disparar com êxito um míssil a partir de um submarino no passado dia 24 de agosto.

Os três mísseis disparados para o Mar do Japão (Mar do Leste) caíram em águas na Zona de Identificação de Defesa Aérea do Japão, numa distância de cerca de mil quilómetros.

Lusa

  • Celebridades protestam contra Donald Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Encontrados dez sobreviventes no hotel engolido por um avalanche em Itália
    1:44
  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida