sicnot

Perfil

Mundo

Mais dois detidos no caso de carro com cilindros de gás em Paris

© Reuters

Duas pessoas foram detidas em Montargis, no centro de França, no âmbito da investigação de uma viatura que continha seis cilindros de gás e que foi encontrada na quarta-feira perto da catedral de Notre Dame, em Paris. O anúncio foi feito esta quinta-feira, depois de ontem terem sido detidas outras duas pessoas.

Um carro carregado com cilindros de gás foi encontrado na quarta-feira perto da catedral de Notre Dame, em Paris, confirmou a polícia francesa, que entretanto deteve duas pessoas alegadamente relacionadas com o veículo.

De acordo com fontes ligadas à investigação citadas pela agência France Presse, a procuradoria anti-terrorismo francesa abriu uma investigação preliminar. As mesmas fontes indicaram que a polícia não encontrou detonadores no carro que continha os cilindros com gás.

Os detidos na quarta-feira são o dono do carro e outro homem com ligação ao proprietário da viatura. Ambos estavam referenciados pela polícia, disseram ainda as mesmas fontes, e ambos integram o movimento islâmico radical, segundo informações divulgadas pela AFP.

O incidente ocorre cerca de dois meses depois do atentado de Nice, que causou 86 mortos, e da série de ataques jihadistas que visaram a França nos últimos meses.

Com Lusa

  • Mais de 1600 ações de fiscalizações a IPSS em dois anos
    1:05

    Expresso da Meia Noite

    Nos últimos dois anos, o Estado efetuou mais de 1600 ações de fiscalização a Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) das quais resultaram mais de 70 destituições e 80 participações ao Ministério Público (MP). Os números foram avançados pela secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, no programa Expresso da Meia-noite, na SIC Notícias.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23
  • Ilhas Selvagens são um tesouro no Atlântico que é preciso preservar
    2:33