sicnot

Perfil

Mundo

Secretário-geral da NATO inicia primeira visita à Turquia após golpe falhado

O secretário-geral da NATO visita hoje a Turquia pela primeira vez desde o golpe militar fracassado naquele país que está cada vez mais envolvido no conflito na Síria.

Jens Stoltenberg deverá encontrar-se com o Presidente turco, Recep Tayyp Erdogan, na sexta-feira, mas não são conhecidos pormenores sobre a agenda, depois de a NATO ter manifestado apoio ao governo turco na sequência do golpe de julho passado.

Na sexta-feira, o vice-primeiro-ministro Nurettin Canikli afirmou que os exércitos da Turquia e dos Estados Unidos estão a discutir uma possível operação comum contra o grupo terrorista Estado Islâmico, a que Ancara é favorável.

Por outro lado, a Rússia, que também intervém na guerra civil síria e apoia o presidente Bashar al-Assad, criticou a ação turca em território sírio, que começou há duas semanas no norte do país.

A operação militar iniciou-se ao mesmo tempo que Erdogan consolida o seu poder, depois de milhares de despedimentos e detenções na administração pública e forças armadas em resposta ao golpe militar fracassado de 15 de julho.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.