sicnot

Perfil

Mundo

Teste nuclear de Pyongyang "é preocupante", diz Agência de Energia Atómica

O novo ensaio nuclear levado a cabo pela Coreia do Norte, e já confirmado, é "muito preocupante e lamentável", disse hoje a Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA).

"Esta é uma violação flagrante de várias resoluções do Conselho de Segurança da ONU e um desrespeito total de repetidos pedidos da comunidade internacional. É um ato bastante preocupante e lamentável", disse Yukiya Amano, diretor da agência da ONU em comunicado.

"Insto vivamente a Coreia do Norte a aplicar totalmente todas as resoluções pertinentes do Conselho de Segurança da ONU e da AEIA", afirmou.

A Coreia do Norte confirmou hoje ter levado a cabo o quinto ensaio nuclear "com sucesso", informou a televisão oficial norte-coreana, no dia em qua o país celebra o 68.º aniversário da sua fundação.

A confirmação do ensaio nuclear surge depois de Seul ter dito que este foi o teste mais potente alguma vez realizado por Pyongyang.

O anúncio foi apresentado pela locutora Ri Chun-hee, num breve espaço informativo especial emitido pela televisão estatal KCTV por volta das 13:00 locais (04:30 em Lisboa).

Um tremor de terra de cerca de 5 graus de magnitude foi detetado às 09:30 locais (01:30 em Lisboa), muito perto da base de testes nucleares de Punggye-ri, cenário de quatro ensaios nucleares anteriores, pelo serviço meteorológico sul-coreano, assim como pelo Centro Sismológico da Europa, Serviço Geológico dos Estados Unidos e agência meteorológica japonesa.

Lusa

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.