sicnot

Perfil

Mundo

Governo português confiante que "méritos" de Guterres irão levá-lo à ONU

O ministro dos Negócios Estrangeiros português reiterou esta quarta-feira que o Governo "confia nos méritos" da candidatura de António Guterres à liderança das Nações Unidas, escusando-se a comentar a eventual entrada da vice-comissária europeia Kristalina Georgieva na corrida.

Nos últimos dias, surgiu a notícia de a búlgara Kristalina Georgieva, vice-presidente da Comissão Europeia, poderá entrar na corrida ao cargo de secretário-geral da ONU nos próximos dias, proposta pela Hungria, Croácia e Letónia, com o apoio da Alemanha.

"Não temos nenhum comentário a fazer. Apresentámos a nossa candidatura e os méritos dessa candidatura estão à vista", disse à Lusa o ministro Augusto Santos Silva, referindo-se ao antigo primeiro-ministro português António Guterres, que venceu as quatro votações até agora realizadas pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Questionado de que forma o Governo português veria a possibilidade de ser apresentada, nesta altura, uma candidatura, quando há vários meses os diversos candidatos têm participado em entrevistas e debates públicos, Santos Silva recordou que o processo de escolha do sucessor de Ban Ki-moon "está a decorrer e é muito complexo".

"Estamos ainda na fase de votações indicativas para ponderação de apoios e em todas as quatro votações até agora realizadas, o engenheiro António Guterres teve sempre os melhores resultados", sublinhou Santos Silva.

"Confiamos nos méritos da nossa candidatura e é para a nossa candidatura que olhamos", sublinhou o chefe da diplomacia portuguesa.

O chefe de gabinete do presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, manifestou apoio público à eventual candidatura de Georgieva, que já foi entretanto rejeitada por Moscovo.

Na terça-feira, o primeiro-ministro búlgaro, Boiko Borissov, disse que a Bulgária vai continuar a apoiar a candidatura de Irina Bokova, diretora-geral da UNESCO, pelo menos até 26 de setembro, quando ocorrerá a próxima votação na ONU. Caso nessa data Bokova não fique entre os dois primeiros candidatos nas votações da ONU, o Governo búlgaro vai repensar o assunto, realçou Borissov.

A escolha de um secretário-geral da ONU para suceder a Ban Ki-moon a partir de 01 de janeiro de 2017 deverá resultar de um compromisso entre os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança (Estados Unidos, Rússia, China, França e Reino Unido).

As possibilidades dos vários candidatos ficam mais claras a partir da votação de 26 de setembro, na qual os votos já serão lançados com boletins de voto com um código de cores.

Lusa

  • "A vitória de Bruno de Carvalho pode ser uma vitória de Pirro"
    1:01
    O Dia Seguinte

    O Dia Seguinte

    2ªFEIRA 21:50

    As eleições para a presidência do Sporting realizam-se no próximo sábado e os comentadores d'O Dia Seguinte avaliaram já as hipóteses de vitória dos candidatos. Rui Gomes da Silva considera que a gravação que implicava José Maria Ricciardi não vai influenciar a decisão de voto. Já Paulo Farinha Alves acredita que Bruno de Carvalho vai vencer a eleição. Contudo José Guilherme Aguiar avisa as eleições podem não trazer estabilidade ao Sporting.

  • SIC revela relatório que provava falência do GES
    2:06
  • Sócrates acusa Cavaco de conspiração
    0:57
  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Vulcão Etna em erupção
    1:34
  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22
  • Como a maioria de Esquerda gere as votações
    2:15

    País

    A gestão entre os partidos é feita diariamente mas nem sempre PCP e Bloco de Esquerda têm votado ao lado do Governo. A SIC ouviu um politólogo, que diz que o objetivo é cada um salientar as diferenças que os separam do PS. No entanto, também há exemplos que provam que nenhum dos partidos quer pôr em causa a estabilidade política.