sicnot

Perfil

Mundo

Merkel defende liberdade religiosa, incluindo direito à burca

© Reuters

A chanceler alemã, Angela Merkel, defendeu esta quarta-feira o pleno direito à liberdade religiosa, incluindo o uso da burca, destacando, porém, a necessidade de restringi-lo em certos âmbitos da vida pública, onde o rosto descoberto é necessário, como a perante a justiça.

A liberdade religiosa implica "poder fazer-se expressão pública da mesma", afirmou Merkel na Conferência Interparlamentar sobre Liberdade Religiosa, a decorrer hoje em Berlim e realizada pela União Cristão-Democrata (CDU), o partido a que preside, e o partido irmão, União Social-Cristã da Baviera (CSU).

A líder alemã admitiu que o uso do véu integral é "um grande obstáculo" à integração na sociedade alemã e legitimou, por outro lado, as restrições que a CDU/CSU quer impor ao seu uso nos espaços públicos.

Merkel deu assim apoio à iniciativa apresentada em agosto último pelo seu ministro do Interior, Thomas de Maizière, que, contra as vozes do seu próprio partido, que exigiam a proibição total do uso da burca, advogou que as restrições se circunscrevessem a determinados âmbitos.

De acordo com a proposta de Maizière, o uso da burca será proibido em manifestações, escolas, esquadras, repartições públicas como as do registo civil, tribunais, controlos de trânsito ou qualquer outra situação em que a identificação da pessoa seja requerida.

A líder alemã insistiu na necessidade de transmitir a estes grupos populacionais o "sentido do direito fundamental" à liberdade religiosa, como fator indispensável para a integração numa sociedade aberta e tolerante.

Lusa

  • Celebridades protestam contra Donald Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os discursos de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa estiveram no Jornal da Noite da SIC, onde analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O Diretor de Informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Encontrados dez sobreviventes no hotel engolido por um avalanche em Itália
    1:44
  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida