sicnot

Perfil

Mundo

Acusação contra Lula volta a ferir a democracia, diz Dilma

© Ueslei Marcelino / Reuters

A ex-Presidente do Brasil Dilma Rousseff afirmou, na quarta-feira, que, com a acusação contra o ex-chefe de Estado Luiz Inácio Lula da Silva na Operação Lava Jato, "a democracia volta a ser ferida".


"Mais uma vez, uma grave injustiça é cometida sem fundamentos reais. Agora, o alvo é o ex-Presidente Lula", comentou, nas redes sociais, a chefe de Estado afastada do poder a 31 de agosto passado.

A sucessora de Lula da Silva opinou que "é evidente que esta denúncia [acusação] atende ao objetivo daqueles que pretendem impedir a sua candidatura em 2018", ano de presidenciais.

"É lamentável que uma denúncia sem provas seja feita contra o Presidente Lula e a sua família", referiu, acrescentando: "Certamente, ele saberá defender-se e as pessoas de bem saberão reagir".

O Ministério Público Federal (MPF) acusou, na quarta-feira, o ex-Presidente, a sua mulher, Marisa Letícia, Paulo Okamotto, presidente do Instituto Lula, Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS, e outras quatro pessoas ligadas à mesma empresa de construção civil por crimes de corrupção activa e passiva e lavagem de dinheiro.

Trata-se da primeira denúncia contra o ex-chefe de Estado enviada para o juiz Sérgio Moro, responsável pelos casos da Operação Lava Jato, que trata do maior esquema de corrupção da história do Brasil, na Justiça Federal do Estado do Paraná.

Em conferência de imprensa na quarta-feira, o procurador Deltan Dallagnol, que coordena a força-tarefa [de investigação] da Operação Lava Jato em Curitiba, acusou Lula da Silva de ser o "o comandante" que "determinou a realização e a continuidade da prática dos crimes" num mega-esquema de corrupção associado à petrolífera Petrobras.

Dilma Rousseff, que foi afastada do poder por irregularidades orçamentais num polémico processo de destituição, referiu, várias vezes, ser vítima de um golpe e que, mais do que o seu mandato, era a democracia do país que estava em causa no processo.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18