sicnot

Perfil

Mundo

Acusação contra Lula volta a ferir a democracia, diz Dilma

© Ueslei Marcelino / Reuters

A ex-Presidente do Brasil Dilma Rousseff afirmou, na quarta-feira, que, com a acusação contra o ex-chefe de Estado Luiz Inácio Lula da Silva na Operação Lava Jato, "a democracia volta a ser ferida".


"Mais uma vez, uma grave injustiça é cometida sem fundamentos reais. Agora, o alvo é o ex-Presidente Lula", comentou, nas redes sociais, a chefe de Estado afastada do poder a 31 de agosto passado.

A sucessora de Lula da Silva opinou que "é evidente que esta denúncia [acusação] atende ao objetivo daqueles que pretendem impedir a sua candidatura em 2018", ano de presidenciais.

"É lamentável que uma denúncia sem provas seja feita contra o Presidente Lula e a sua família", referiu, acrescentando: "Certamente, ele saberá defender-se e as pessoas de bem saberão reagir".

O Ministério Público Federal (MPF) acusou, na quarta-feira, o ex-Presidente, a sua mulher, Marisa Letícia, Paulo Okamotto, presidente do Instituto Lula, Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS, e outras quatro pessoas ligadas à mesma empresa de construção civil por crimes de corrupção activa e passiva e lavagem de dinheiro.

Trata-se da primeira denúncia contra o ex-chefe de Estado enviada para o juiz Sérgio Moro, responsável pelos casos da Operação Lava Jato, que trata do maior esquema de corrupção da história do Brasil, na Justiça Federal do Estado do Paraná.

Em conferência de imprensa na quarta-feira, o procurador Deltan Dallagnol, que coordena a força-tarefa [de investigação] da Operação Lava Jato em Curitiba, acusou Lula da Silva de ser o "o comandante" que "determinou a realização e a continuidade da prática dos crimes" num mega-esquema de corrupção associado à petrolífera Petrobras.

Dilma Rousseff, que foi afastada do poder por irregularidades orçamentais num polémico processo de destituição, referiu, várias vezes, ser vítima de um golpe e que, mais do que o seu mandato, era a democracia do país que estava em causa no processo.

Lusa

  • O fim do julgamento do caso BPN, seis anos depois
    2:26

    País

    O antigo presidente do BPN José Oliveira Costa tentou adiar o fim do julgamento principal do caso com um recurso para o Tribunal Constitucional. Apesar disso, a leitura do acórdão continua marcada para esta quarta-feira, quase seis anos e meio depois de os 15 arguidos se terem sentado pela primeira vez no banco dos réus.

  • José Oliveira Costa, o rosto do buraco financeiro do BPN
    3:04

    País

    José Oliveira Costa foi o homem forte do BPN durante 10 anos e tornou-se o rosto do gigantesco buraco financeiro. Manteve-se em silêncio durante todo o julgamento, mas falou aos deputados da comissão de inquérito, para negar qualquer envolvimento no escândalo que fez ruir o BPN.

  • Saída do Procedimento por Défice Excessivo marca debate no Parlamento
    1:40
  • Filhos tentam anular casamento de pai de 101 anos

    País

    O casamento de um homem de 101 anos com uma mulher com metade da idade, em Bragança, está a ser contestado judicialmente pelos filhos do idoso, que acusam aquela que era empregada da família de querer ser herdeira.