sicnot

Perfil

Mundo

Ajuda humanitária na Síria continua a escassear apesar da trégua

Milhares de habitantes em diversas regiões da Síria, apesar do prolongamento da trégua em vigor, continuavam a aguardar esta quinta-feira pela ajuda humanitária prometida pela ONU, que exortou o governo de Damasco a desbloquear de imediato a sua distribuição.

Cerca de 20 camiões com alimentos e medicamentos encontram-se numa "zona tampão" entre a Turquia e a Síria e "estão prontos para circularem imediatamente" em direção a Alepo, a segunda cidade síria a cerca de 70 quilómetros da fronteira, segundo referiu o responsável da ONU Jan Egeland.

A ONU pretende distribuir ajuda na sexta-feira nesta cidade do norte da Síria assolada há cinco anos pela guerra, enquanto aumenta a impaciência entre os 250.000 habitantes dos bairros rebeldes cercados, em situação de extrema debilidade.

"De que serve o prolongamento da trégua se permanecemos cercados?", afirmou citado pela agência noticiosa France-Presse um habitante do setor rebelde, que não recebe ajuda humanitária desde 7 de julho. "Antes, morríamos dos bombardeamentos, hoje vamos morrer à fome", lamentou o homem de 53 anos.

O enviado especial da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, também manifestou alguma frustração e exortou o regime de Bashar al-Assad a dar "autorização final" para a passagem das colunas de veículos.

"É particularmente lamentável, perdemos tempo. A Rússia está de acordo connosco neste ponto", acrescentou, após o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, ter apelado a Washington e Moscovo para contribuírem no desbloqueamento da entrega de ajuda.

Os Estados Unidos e a Rússia, que apoiam respetivamente os rebeldes moderados e o regime, são os "arquitetos" da trégua em vigor desde segunda-feira e que permitiu uma forte redução das violências nas frentes de combate.

Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.